Webmail CUT

Acesse seu Webmail CUT


Login CUT

Acesse a CUT

Esqueceu a senha?

Vitória da Educação: Novo Fundeb 100% público é aprovado na Câmara

Novo Fundeb será totalmente da escola pública, sem destinação de recursos para a iniciativa privada

Escrito por: Confetam • Publicado em: 17/12/2020 - 18:21 • Última modificação: 17/12/2020 - 19:42 Escrito por: Confetam Publicado em: 17/12/2020 - 18:21 Última modificação: 17/12/2020 - 19:42

Confetam

A Câmara dos Deputados aprovou nesta quinta-feira, 17 de dezembro, a regulamentação do novo Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb). Após grande pressão dos movimentos social e sindical, que mobilizaram a sociedade e os congressistas, foi rejeitado o repasse de até 10% dos valores (R$ 16 bilhões) para escolas privadas ligadas ao Sistema S e às confessionais, comunitárias e filantrópicas. Com isso, a destinação dos recursos será somente para o setor público, como previa o texto original.

Por Com 470 votos, 15 contrários, e uma abstenção prevaleceram os entendimentos construídos nesta semana no Senado, que retomava os pressupostos do relatório do deputado Felipe Rigoni (PSB-ES). “Fico feliz que o Senado retomou o texto original, que foi aprovado por unanimidade aqui nesta Casa”, disse o relator.

Em uma segunda votação (286 x 163), foi rejeitado o destaque do partido Novo, que pretendia novamente incluir no projeto de lei o repasse de 10% dos recurso para entidades privadas. 

O acordo para a aprovação foi costurado pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia, que foi duramente pressionado pela oposição. O Governo Bolsonaro tentou impedir a votação e o Novo foi o único partido que orientou a bancada a votar contra a medida.

"Com isso, a mobilização popular derrotou de novo o Governo Bolsonaro e aprovou o texto do Senado com 100% dos recursos do Fundeb para a educação pública! Vitória de todas e todos que defendem a Educação Pública", destaca Vilani Oliveira, presidenta da Confederação dos Trabalhadores no Serviço Público Municipal (Confetam).

Entre os principais elementos do texto, a reserva de mais recursos para a educação básica. Até 2026, o governo federal deverá aumentar a complementação para esses fundos a cada ano, começando com 12% do montante em 2021 até atingir 23%. O deputado Idilvan Alencar (PDT-CE) lembrou que o aumento dos recursos do Fundo, por meio da PEC 15/15, foi muito celebrado pelo Brasil inteiro. Para ele, os recursos devem ser mantidos no setor público, que ainda é muito carente. “O custo aluno é muito baixo, é só comparar com uma escola particular”, destacou.

 

 
Título: Vitória da Educação: Novo Fundeb 100% público é aprovado na Câmara, Conteúdo: A Câmara dos Deputados aprovou nesta quinta-feira, 17 de dezembro, a regulamentação do novo Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb). Após grande pressão dos movimentos social e sindical, que mobilizaram a sociedade e os congressistas, foi rejeitado o repasse de até 10% dos valores (R$ 16 bilhões) para escolas privadas ligadas ao Sistema S e às confessionais, comunitárias e filantrópicas. Com isso, a destinação dos recursos será somente para o setor público, como previa o texto original. Por Com 470 votos, 15 contrários, e uma abstenção prevaleceram os entendimentos construídos nesta semana no Senado, que retomava os pressupostos do relatório do deputado Felipe Rigoni (PSB-ES). “Fico feliz que o Senado retomou o texto original, que foi aprovado por unanimidade aqui nesta Casa”, disse o relator. Em uma segunda votação (286 x 163), foi rejeitado o destaque do partido Novo, que pretendia novamente incluir no projeto de lei o repasse de 10% dos recurso para entidades privadas.  O acordo para a aprovação foi costurado pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia, que foi duramente pressionado pela oposição. O Governo Bolsonaro tentou impedir a votação e o Novo foi o único partido que orientou a bancada a votar contra a medida. Com isso, a mobilização popular derrotou de novo o Governo Bolsonaro e aprovou o texto do Senado com 100% dos recursos do Fundeb para a educação pública! Vitória de todas e todos que defendem a Educação Pública, destaca Vilani Oliveira, presidenta da Confederação dos Trabalhadores no Serviço Público Municipal (Confetam). Entre os principais elementos do texto, a reserva de mais recursos para a educação básica. Até 2026, o governo federal deverá aumentar a complementação para esses fundos a cada ano, começando com 12% do montante em 2021 até atingir 23%. O deputado Idilvan Alencar (PDT-CE) lembrou que o aumento dos recursos do Fundo, por meio da PEC 15/15, foi muito celebrado pelo Brasil inteiro. Para ele, os recursos devem ser mantidos no setor público, que ainda é muito carente. “O custo aluno é muito baixo, é só comparar com uma escola particular”, destacou.    



Informativo CONFETAM

Cadastre-se e receba periodicamente
nossos boletins informativos.