Webmail CUT

Acesse seu Webmail CUT


Login CUT

Acesse a CUT

Esqueceu a senha?

Trabalhadores públicos da cidade de São Paulo aprovam proposta apresentada pelo Governo

Reajuste para trabalhadores do nível básico alcança 83,80%, cerca de 34,80% de aumento real. Os trabalhadores da cidade de São Paulo tiveram anos muito difíceis com os prefeitos Serra e Kassab.

Escrito por: • Publicado em: 02/05/2013 - 00:00 Escrito por: Publicado em: 02/05/2013 - 00:00

Mas eles se organizaram e a aversão aos antigos prefeitos trouxe uma importante derrota a dupla Serra e Kassab. Diante do novo prefeito paulistano, Fernando Haddad, os trabalhadores organizados pelo Sindsep-SP pressionaram desde o início do mandato. Mais do que palavras, os trabalhadores exigiram propostas concretas e que se consistissem em avanços. Disputa se vence com luta. Disputa se vence com organização. Disputa se vence nas ruas. Parabéns, trabalhadores!
No dia 17 de abril, cerca de 1.000 trabalhadores fizeram o primeiro grande ato de servidores presenciado por esse novo Governo Municipal. O Governo entendeu a força da mobilização e demonstrou respeito pelo Sindsep e pelos servidores. Tínhamos uma proposta do Governo que não contemplava os trabalhadores e, por isso, precisava ser melhorada e ampliada. Na negociação do SINP (Sistema de Negociação Permanente) no dia 22, o Sindsep já deixou claro ao Governo que haveria um novo ato no dia 29 de abril (hoje) e que organizados, os trabalhadores estavam dispostos à GREVE, se necessário fosse. Foi nesse momento que o governo apresentou o salário padrão de R$ 755,00 e R$ 920,00, respectivamente ao nível básico e nível médio. O resultado foi a maior conquista dos trabalhadores nos últimos anos. Mesmo não desfazendo todas as mazelas deixadas, serão beneficiados 60 mil trabalhadores, das carreiras mais desvalorizadas nos dois últimos governos, incluindo aposentados, admitidos e funcionários das autarquias (Iprem, HSPM, Autarquias Hospitalares, Serviço Funerário).
O entendimento do Governo é que os trabalhadores do nível básico e do nível médio foram os mais prejudicados. Portanto, depois de muita discussão trouxe uma proposta para corrigir os prejuízos acumulados desses dois setores. Conforme alegação do Governo, não há orçamento que possa atender nesse momento os trabalhadores com um reajuste linear. O Sindsep esclarece que a Campanha Salarial só está começando e que há inúmeros outros setores que sofreram perdas nos últimos anos. Quem foi beneficiado agora, precisa avançar sempre mais, mas quem não foi contemplado estará em campanha permanente que continua nas mesas de negociação setoriais e central. Apresentada a proposta para a categoria, os trabalhadores entenderam que o Sindsep deveria assinar o protocolo de acordo com o Governo no Ato realizado no dia 29 de abril com garantias de iniciar as discussões dos setores que amargam as perdas sofridas. A seguir o acordo firmado.
Nível básico - Reajuste de 83,80%. A partir de maio de 2013 o padrão inicial dos Agentes de Apoio sobe de R$ 440,39 para R$ 755,00 e o final de carreira chega a R$ 1.330,74. As Gratificações de Atividade também serão afetadas pelo reajuste podendo chegar a R$ 528,50. Há também o pagamento do quadrimestral retroativo a novembro de 2011, no percentual de 0,82%. O reajuste imediato é de 72,25%. E, sob duras penas, conseguimos 11,46% de reajuste linear divididos em 3 vezes, com primeiro pagamento a partir de maio de 2014. O Piso mínimo desses trabalhadores será de R$ 1.132,00. O aumento real para os trabalhadores do nível básico é de 34,80%!
Nível médio – Reajuste de 54,75%. A partir de maio de 2013 o padrão inicial do AGPP sobe de R$ 645,74 para R$ 920,00 e o final de carreira chega a R$ 2.415,73. As Gratificações de Atividade também serão afetadas pelo reajuste podendo chegar a R$ 644,00. Há também o pagamento do quadrimestral retroativo a novembro de 2011, no percentual de 0,82%. O reajuste imediato é de 43,29%. E, sob duras penas, conseguimos 11,46% de reajuste linear divididos em 3 vezes, com primeiro pagamento a partir de maio de 2014. O Piso mínimo desses trabalhadores será de R$ 1.380,00. O aumento real para os trabalhadores do nível médio é de 5,75%!
Trabalhadores da Educação - Reajuste de 22,47%. Os trabalhadores da educação têm garantidos por lei o reajuste de 10,19%. Há ainda o pagamento do quadrimestral retroativo a novembro de 2011, no percentual de 0,82%. E, também, terão os 11,46% de reajuste linear divididos em 3 vezes, com primeiro pagamento a partir de maio de 2014.
Aposentados – Os aposentados que estão nas carreiras do nível básico e médio serão contemplados imediatamente por reajustes de 71,43% e 42,47%. A maior parte deles se aposentou antes das Gratificações de Atividade ou não optaram pelas atuais carreiras de Agente de Apoio, podendo muitos deles serem beneficiados pelos pisos de R$ 1.132,00 e R$ 1.380,00.
Piso Mínimo – Os trabalhadores do nível básico e médio de outras carreiras ou que não optaram pelas carreiras do Agente de Apoio e AGPP, e que não atingirem o piso mínimo do nível básico de R$ 1.132,00 e do nível médio de R$ 1.380,00, receberão complementos. Isso significa que nenhum trabalhador do nível básico ou médio receberá valor inferior a R$ 1.132,00 e R$ 1.380,00.
Reajuste linear – Todos os trabalhadores receberão, imediatamente, 0,82% referente ao quadrimestral de novembro de 2011, além dos valores retroativos durante os próximos 18 meses. Também receberão 11,46%, parcelados em 3 vezes de 3,82%, a partir de maio de 2014.
Vale alimentação – Ficou garantido que todos os trabalhadores que hoje recebem o vale não o perderão por conta do aumento nos vencimentos.
Participou dessa reunião a secretária de Planejamento, Leda Maria Paulani, que ouviu a demanda dos trabalhadores e se comprometeu de assinar um protocolo no dia 2 de maio de 2013. O governo se comprometeu a realizar os reajustes das carreiras nas reestruturações que devem ser mais duradouras, e dadas a partir de discussões nas mesas setoriais. Segundo informou a administração, várias carreiras devem estar prontas nesse ano para que se possam realizar concursos em 2014 e para que se realizem as mudanças necessárias. Muitas carreiras do nível superior que não foram beneficiadas nesse primeiro momento, serão contempladas, disse o representante de SEMPLA, que considera que algumas situações sequer podem ser consideradas carreiras. Também informou que a carreira da saúde necessita ser aperfeiçoada.
O protocolo que será assinado tem como objetivo firmar os compromissos com as propostas negociadas. Mas o Sindsep, por decisão dos trabalhadores assinará o protocolo também com os compromissos propostos pelo nosso sindicato e aceitos pelo governo, respondendo aos setores não contemplados em suas maiores reivindicações, iniciando em maio as discussões com calendário definido, sobre:
- Reestruturação de todas as carreiras (inclusive Especialistas, Saúde e GCM), com recomposição das perdas salariais dos últimos 8 anos (começando pelo NS, conforme proposta apresentada pelo Sindsep, já em maio de 2013);
- Mudança da atual Lei Salarial;
- Extensão das gratificações para os excluídos (o governo avaliará a disponibilidade financeira para aplicação imediata, inclusive dos admitidos e outros profissionais que ficaram fora da GDA, conforme proposta apresentada pelo Sindsep);
- Revisão dos padrões salariais para os admitidos;
- Inclusão dos direitos aos aposentados e pensionistas e garantia de reajuste anual aos inativos sem paridade;
- Resposta em maio sobre a consideração do tempo de ADI como função de magistério, inclusive com o compromisso assumido de não recorrer de decisão judicial.
Mesmo com o protocolo assinado, a pressão continuará para que possamos garantir que todas as carreiras e setores obtenham as devidas valorizações.
Fonte: SINDSEP

Título: Trabalhadores públicos da cidade de São Paulo aprovam proposta apresentada pelo Governo, Conteúdo: Mas eles se organizaram e a aversão aos antigos prefeitos trouxe uma importante derrota a dupla Serra e Kassab. Diante do novo prefeito paulistano, Fernando Haddad, os trabalhadores organizados pelo Sindsep-SP pressionaram desde o início do mandato. Mais do que palavras, os trabalhadores exigiram propostas concretas e que se consistissem em avanços. Disputa se vence com luta. Disputa se vence com organização. Disputa se vence nas ruas. Parabéns, trabalhadores! No dia 17 de abril, cerca de 1.000 trabalhadores fizeram o primeiro grande ato de servidores presenciado por esse novo Governo Municipal. O Governo entendeu a força da mobilização e demonstrou respeito pelo Sindsep e pelos servidores. Tínhamos uma proposta do Governo que não contemplava os trabalhadores e, por isso, precisava ser melhorada e ampliada. Na negociação do SINP (Sistema de Negociação Permanente) no dia 22, o Sindsep já deixou claro ao Governo que haveria um novo ato no dia 29 de abril (hoje) e que organizados, os trabalhadores estavam dispostos à GREVE, se necessário fosse. Foi nesse momento que o governo apresentou o salário padrão de R$ 755,00 e R$ 920,00, respectivamente ao nível básico e nível médio. O resultado foi a maior conquista dos trabalhadores nos últimos anos. Mesmo não desfazendo todas as mazelas deixadas, serão beneficiados 60 mil trabalhadores, das carreiras mais desvalorizadas nos dois últimos governos, incluindo aposentados, admitidos e funcionários das autarquias (Iprem, HSPM, Autarquias Hospitalares, Serviço Funerário).O entendimento do Governo é que os trabalhadores do nível básico e do nível médio foram os mais prejudicados. Portanto, depois de muita discussão trouxe uma proposta para corrigir os prejuízos acumulados desses dois setores. Conforme alegação do Governo, não há orçamento que possa atender nesse momento os trabalhadores com um reajuste linear. O Sindsep esclarece que a Campanha Salarial só está começando e que há inúmeros outros setores que sofreram perdas nos últimos anos. Quem foi beneficiado agora, precisa avançar sempre mais, mas quem não foi contemplado estará em campanha permanente que continua nas mesas de negociação setoriais e central. Apresentada a proposta para a categoria, os trabalhadores entenderam que o Sindsep deveria assinar o protocolo de acordo com o Governo no Ato realizado no dia 29 de abril com garantias de iniciar as discussões dos setores que amargam as perdas sofridas. A seguir o acordo firmado.Nível básico - Reajuste de 83,80%. A partir de maio de 2013 o padrão inicial dos Agentes de Apoio sobe de R$ 440,39 para R$ 755,00 e o final de carreira chega a R$ 1.330,74. As Gratificações de Atividade também serão afetadas pelo reajuste podendo chegar a R$ 528,50. Há também o pagamento do quadrimestral retroativo a novembro de 2011, no percentual de 0,82%. O reajuste imediato é de 72,25%. E, sob duras penas, conseguimos 11,46% de reajuste linear divididos em 3 vezes, com primeiro pagamento a partir de maio de 2014. O Piso mínimo desses trabalhadores será de R$ 1.132,00. O aumento real para os trabalhadores do nível básico é de 34,80%!Nível médio – Reajuste de 54,75%. A partir de maio de 2013 o padrão inicial do AGPP sobe de R$ 645,74 para R$ 920,00 e o final de carreira chega a R$ 2.415,73. As Gratificações de Atividade também serão afetadas pelo reajuste podendo chegar a R$ 644,00. Há também o pagamento do quadrimestral retroativo a novembro de 2011, no percentual de 0,82%. O reajuste imediato é de 43,29%. E, sob duras penas, conseguimos 11,46% de reajuste linear divididos em 3 vezes, com primeiro pagamento a partir de maio de 2014. O Piso mínimo desses trabalhadores será de R$ 1.380,00. O aumento real para os trabalhadores do nível médio é de 5,75%!Trabalhadores da Educação - Reajuste de 22,47%. Os trabalhadores da educação têm garantidos por lei o reajuste de 10,19%. Há ainda o pagamento do quadrimestral retroativo a novembro de 2011, no percentual de 0,82%. E, também, terão os 11,46% de reajuste linear divididos em 3 vezes, com primeiro pagamento a partir de maio de 2014.Aposentados – Os aposentados que estão nas carreiras do nível básico e médio serão contemplados imediatamente por reajustes de 71,43% e 42,47%. A maior parte deles se aposentou antes das Gratificações de Atividade ou não optaram pelas atuais carreiras de Agente de Apoio, podendo muitos deles serem beneficiados pelos pisos de R$ 1.132,00 e R$ 1.380,00.Piso Mínimo – Os trabalhadores do nível básico e médio de outras carreiras ou que não optaram pelas carreiras do Agente de Apoio e AGPP, e que não atingirem o piso mínimo do nível básico de R$ 1.132,00 e do nível médio de R$ 1.380,00, receberão complementos. Isso significa que nenhum trabalhador do nível básico ou médio receberá valor inferior a R$ 1.132,00 e R$ 1.380,00.Reajuste linear – Todos os trabalhadores receberão, imediatamente, 0,82% referente ao quadrimestral de novembro de 2011, além dos valores retroativos durante os próximos 18 meses. Também receberão 11,46%, parcelados em 3 vezes de 3,82%, a partir de maio de 2014.Vale alimentação – Ficou garantido que todos os trabalhadores que hoje recebem o vale não o perderão por conta do aumento nos vencimentos. Participou dessa reunião a secretária de Planejamento, Leda Maria Paulani, que ouviu a demanda dos trabalhadores e se comprometeu de assinar um protocolo no dia 2 de maio de 2013. O governo se comprometeu a realizar os reajustes das carreiras nas reestruturações que devem ser mais duradouras, e dadas a partir de discussões nas mesas setoriais. Segundo informou a administração, várias carreiras devem estar prontas nesse ano para que se possam realizar concursos em 2014 e para que se realizem as mudanças necessárias. Muitas carreiras do nível superior que não foram beneficiadas nesse primeiro momento, serão contempladas, disse o representante de SEMPLA, que considera que algumas situações sequer podem ser consideradas carreiras. Também informou que a carreira da saúde necessita ser aperfeiçoada. O protocolo que será assinado tem como objetivo firmar os compromissos com as propostas negociadas. Mas o Sindsep, por decisão dos trabalhadores assinará o protocolo também com os compromissos propostos pelo nosso sindicato e aceitos pelo governo, respondendo aos setores não contemplados em suas maiores reivindicações, iniciando em maio as discussões com calendário definido, sobre: - Reestruturação de todas as carreiras (inclusive Especialistas, Saúde e GCM), com recomposição das perdas salariais dos últimos 8 anos (começando pelo NS, conforme proposta apresentada pelo Sindsep, já em maio de 2013); - Mudança da atual Lei Salarial; - Extensão das gratificações para os excluídos (o governo avaliará a disponibilidade financeira para aplicação imediata, inclusive dos admitidos e outros profissionais que ficaram fora da GDA, conforme proposta apresentada pelo Sindsep); - Revisão dos padrões salariais para os admitidos; - Inclusão dos direitos aos aposentados e pensionistas e garantia de reajuste anual aos inativos sem paridade; - Resposta em maio sobre a consideração do tempo de ADI como função de magistério, inclusive com o compromisso assumido de não recorrer de decisão judicial. Mesmo com o protocolo assinado, a pressão continuará para que possamos garantir que todas as carreiras e setores obtenham as devidas valorizações.Fonte: SINDSEP



Informativo CONFETAM

Cadastre-se e receba periodicamente
nossos boletins informativos.