Webmail CUT

Acesse seu Webmail CUT


Login CUT

Acesse a CUT

Esqueceu a senha?

Servidores municipais recusam proposta da Prefeitura de Belo Horizonte

Categoria mantém reivindicações e aprova estado de greve durante assembleia realizada na quarta (9)

Escrito por: • Publicado em: 11/04/2014 - 00:00 Escrito por: Publicado em: 11/04/2014 - 00:00

Servidores e servidoras públicos municipais de Belo Horizonte recusaram a resposta da prefeitura à pauta de reivindicações da campanha salarial unificada de 2014, em assembleia geral realizada na manhã desta quarta-feira (9), na Praça da Estação, Região Central da capital mineira. A PBH, que instalou mesa de negociação permanente, ofereceu na terça-feira (8) apenas 5,56% de reajuste, a partir de setembro, índice do INPC de janeiro a dezembro de 2013, e R$ 1 a mais no vale-alimentação. As categorias decidiram manter a pauta, apresentada no dia 19 de março, e pedem aumento de 15%, retroativo a janeiro de 2014, R$ 28 de vale-alimentação, entre outras reivindicações.
Trabalhadores e trabalhadoras aprovaram estado de greve, assembleias específicas de 15 a 25 de abril e nova assembleia geral no dia 6 de maio, com indicativo de greve. Caso a Prefeitura de Belo Horizonte não apresente uma contraproposta satisfatória, servidores e servidoras podem deflagrar paralisação por tempo indeterminado. Na assembleia desta quarta-feira, foram aprovados também a inclusão do vale-cultura na pauta, a constituição de um comando unificado de mobilização do estado de greve, enviar carta à imprensa sobre a situação dos serviços públicos em Belo Horizonte e o prazo até a primeira semana de maio para a mesa de negociação permanente dar resposta sobre as reivindicações.
Após a assembleia, milhares de trabalhadores e trabalhadoras saíram em passeata da Praça da Estação até a sede da PBH, na Avenida Afonso Pena. Na Praça da Estação, eles se uniram em ato público aos servidores e servidoras da saúde, que realizaram assembleia em frente ao Hospital João XXIII.
ACEs e ACS
Agentes Comunitários de Saúde (ACSs) e Agentes de Combate a Endemias (ACEs) seguiram em passeata até a Secretaria Municipal da Saúde, acompanhados por dirigentes do Sindicato dos Servidores Municipais de Belo Horizonte (Sindibel), da Central Única dos Trabalhadores de Minas Gerais (CUT/MG), que também participaram da assembleia unificada, e integrantes do Conselho Municipal de Saúde. ACSs e ACEs protestaram na porta da secretaria contra o atraso do pagamento de bonificação pelo cumprimento de metas em 2013. A prefeitura prometeu pagar a gratificação na folha de março, o que não aconteceu.
Em reunião com servidores, dirigentes do Sindibel e integrantes do Conselho Municipal de Saúde, o secretário-adjunto Gleison Pereira de Souza argumentou que estavam adiantados os procedimentos para o pagamento das bonificações de 2011 e 2012, que seriam feitos na folha de maio e por intermédio de ordem de pagamento no dia 20 de maio, respectivamente. No entanto, a quitação da gratificação de 2013 só seria possível em junho. O presidente do Sindibel, Israel Arimar, ACEs e ACS e o presidente do Conselho Municipal de Saúde e secretário da Juventude da CUT/MG, Ederson Alves da Silva, exigiram um compromisso por escrito e assinado para levar à categoria. Israel Arimar propôs também que o pagamento da bonificação de 2013 seja feito no dia 20 de maio, no lugar da de 2012, por atingir toda a categoria. O documento deve ser apresentado até esta sexta-feira (11). ACEs e ACSs vão realizar assembleia na próxima terça-feira (15).
Fonte: CUT Nacional

Título: Servidores municipais recusam proposta da Prefeitura de Belo Horizonte, Conteúdo: Servidores e servidoras públicos municipais de Belo Horizonte recusaram a resposta da prefeitura à pauta de reivindicações da campanha salarial unificada de 2014, em assembleia geral realizada na manhã desta quarta-feira (9), na Praça da Estação, Região Central da capital mineira. A PBH, que instalou mesa de negociação permanente, ofereceu na terça-feira (8) apenas 5,56% de reajuste, a partir de setembro, índice do INPC de janeiro a dezembro de 2013, e R$ 1 a mais no vale-alimentação. As categorias decidiram manter a pauta, apresentada no dia 19 de março, e pedem aumento de 15%, retroativo a janeiro de 2014, R$ 28 de vale-alimentação, entre outras reivindicações. Trabalhadores e trabalhadoras aprovaram estado de greve, assembleias específicas de 15 a 25 de abril e nova assembleia geral no dia 6 de maio, com indicativo de greve. Caso a Prefeitura de Belo Horizonte não apresente uma contraproposta satisfatória, servidores e servidoras podem deflagrar paralisação por tempo indeterminado. Na assembleia desta quarta-feira, foram aprovados também a inclusão do vale-cultura na pauta, a constituição de um comando unificado de mobilização do estado de greve, enviar carta à imprensa sobre a situação dos serviços públicos em Belo Horizonte e o prazo até a primeira semana de maio para a mesa de negociação permanente dar resposta sobre as reivindicações. Após a assembleia, milhares de trabalhadores e trabalhadoras saíram em passeata da Praça da Estação até a sede da PBH, na Avenida Afonso Pena. Na Praça da Estação, eles se uniram em ato público aos servidores e servidoras da saúde, que realizaram assembleia em frente ao Hospital João XXIII. ACEs e ACS Agentes Comunitários de Saúde (ACSs) e Agentes de Combate a Endemias (ACEs) seguiram em passeata até a Secretaria Municipal da Saúde, acompanhados por dirigentes do Sindicato dos Servidores Municipais de Belo Horizonte (Sindibel), da Central Única dos Trabalhadores de Minas Gerais (CUT/MG), que também participaram da assembleia unificada, e integrantes do Conselho Municipal de Saúde. ACSs e ACEs protestaram na porta da secretaria contra o atraso do pagamento de bonificação pelo cumprimento de metas em 2013. A prefeitura prometeu pagar a gratificação na folha de março, o que não aconteceu. Em reunião com servidores, dirigentes do Sindibel e integrantes do Conselho Municipal de Saúde, o secretário-adjunto Gleison Pereira de Souza argumentou que estavam adiantados os procedimentos para o pagamento das bonificações de 2011 e 2012, que seriam feitos na folha de maio e por intermédio de ordem de pagamento no dia 20 de maio, respectivamente. No entanto, a quitação da gratificação de 2013 só seria possível em junho. O presidente do Sindibel, Israel Arimar, ACEs e ACS e o presidente do Conselho Municipal de Saúde e secretário da Juventude da CUT/MG, Ederson Alves da Silva, exigiram um compromisso por escrito e assinado para levar à categoria. Israel Arimar propôs também que o pagamento da bonificação de 2013 seja feito no dia 20 de maio, no lugar da de 2012, por atingir toda a categoria. O documento deve ser apresentado até esta sexta-feira (11). ACEs e ACSs vão realizar assembleia na próxima terça-feira (15). Fonte: CUT Nacional



Informativo CONFETAM

Cadastre-se e receba periodicamente
nossos boletins informativos.