Webmail CUT

Acesse seu Webmail CUT


Login CUT

Acesse a CUT

Esqueceu a senha?

Professores municipais de Maracanaú voltam às ruas para reivindicar reajuste salarial

Em estado de greve, a categoria quer o atendimento da pauta de reivindicações da Campanha Salarial 2016.

Escrito por: Suprema • Publicado em: 15/02/2016 - 15:33 • Última modificação: 16/02/2016 - 19:17 Escrito por: Suprema Publicado em: 15/02/2016 - 15:33 Última modificação: 16/02/2016 - 19:17

. Servidores realizaram ato na Regional 3, em Pajuçara

Nestas quinta e sexta-feiras, dias 11 e 12 de fevereiro, o Sindicato Unificado dos Profissionais em Educação no Município de Maracanaú (Suprema) levou centenas de professores, outros funcionários da Educação, estudantes e pais de alunos para os atos das Regionais 2 e 3 da rede municipal, realizados no Conjunto Timbó e na Pajuçara, respectivamente.

A categoria está em estado de greve e reivindica o atendimento da pauta da campanha salarial 2016, especialmente o reajuste de 11,36% do magistério, conforme a Lei. O grupo põe em pauta também o fim dos sábados letivos, reajuste do auxílio alimentação, aumento salarial dos secretários escolares e as perdas salariais acumuladas, devido aos reajustes aplicados pela gestão abaixo da média estipulada pelo Ministério da Educação.

Tratamento diferenciado para comissionados

Nas atividades, houve crítica também à falta de compromisso da prefeitura com a educação, tendo em vista que somente pessoas com cargos comissionados receberam reajuste em 2016. Os manifestantes e populares ficaram indignados com o percentual conquistado pelas pessoas que ocupam os postos de confiança do prefeito, que seria de 25%.

A população, que acompanhou as duas passeatas, demonstrou apoio ao movimento, chamando inclusive a atenção dos vereadores eleitos nas regiões.

E, por fim, não faltaram críticas ao excesso de obras inacabadas na cidade, assim como à precariedade das ruas de Maracanaú. A conclusão dos servidores e do povo que acompanhou as atividades é de que falta valorização profissional, assim como estão sendo negligenciadas as políticas públicas mais básicas.

Título: Professores municipais de Maracanaú voltam às ruas para reivindicar reajuste salarial, Conteúdo: Nestas quinta e sexta-feiras, dias 11 e 12 de fevereiro, o Sindicato Unificado dos Profissionais em Educação no Município de Maracanaú (Suprema) levou centenas de professores, outros funcionários da Educação, estudantes e pais de alunos para os atos das Regionais 2 e 3 da rede municipal, realizados no Conjunto Timbó e na Pajuçara, respectivamente. A categoria está em estado de greve e reivindica o atendimento da pauta da campanha salarial 2016, especialmente o reajuste de 11,36% do magistério, conforme a Lei. O grupo põe em pauta também o fim dos sábados letivos, reajuste do auxílio alimentação, aumento salarial dos secretários escolares e as perdas salariais acumuladas, devido aos reajustes aplicados pela gestão abaixo da média estipulada pelo Ministério da Educação. Tratamento diferenciado para comissionados Nas atividades, houve crítica também à falta de compromisso da prefeitura com a educação, tendo em vista que somente pessoas com cargos comissionados receberam reajuste em 2016. Os manifestantes e populares ficaram indignados com o percentual conquistado pelas pessoas que ocupam os postos de confiança do prefeito, que seria de 25%. A população, que acompanhou as duas passeatas, demonstrou apoio ao movimento, chamando inclusive a atenção dos vereadores eleitos nas regiões. E, por fim, não faltaram críticas ao excesso de obras inacabadas na cidade, assim como à precariedade das ruas de Maracanaú. A conclusão dos servidores e do povo que acompanhou as atividades é de que falta valorização profissional, assim como estão sendo negligenciadas as políticas públicas mais básicas.



Informativo CONFETAM

Cadastre-se e receba periodicamente
nossos boletins informativos.