Webmail CUT

Acesse seu Webmail CUT


Login CUT

Acesse a CUT

Esqueceu a senha?

Pressão patronal não irá acelerar terceirização

Senador Paim afirma ter o compromisso de Renan Calheiros de não votar PLC 30 antes de ouvir representações nos estados.

Escrito por: Luiz Carvalho com colaboração da Confetam/CUT • Publicado em: 30/10/2015 - 16:33 • Última modificação: 01/02/2016 - 18:16 Escrito por: Luiz Carvalho com colaboração da Confetam/CUT Publicado em: 30/10/2015 - 16:33 Última modificação: 01/02/2016 - 18:16

Roberto Parizotti

Nesta quarta-feira (28), presidentes de organizações patronais tentaram ameaçar o processo democrático de discussão do Projeto de Lei da Câmara (PLC) 30/2015, que trata da terceirização sem limites. Em reunião com o presidente do Senado, Renan Calheiros, representantes da Confederação Nacional da Indústria (CNI), da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e da Confederação Nacional das Cooperativas (CNCoop) apresentaram emendas que prejudicam ainda mais os/as trabalhadores/as e pediram que a voltação fosse acelerada. Relator do Projeto, o senador Paulo Paim (PT-RS) afirmou que a pressão patronal não vai romper a discussão da proposta.

Em uma caravana por todo o Brasil, as audiências públicas do Senado sobre a terceirização já percorreram 21 estados. Ainda neste ano, estão marcados encontros no Pará (5/11), Amapá (6/11) e Espírito Santo (19/11). Em 2016, os debates acontecerão em Mato Grosso (18/2), Mato Grosso do Sul (19/2), Sergipe (25/2), Alagoas (26/2), Tocantins (10/3) e Goiás (11/3). O encerramento será no Congresso Nacional, no dia 12 de maio, com um balanço das atividades.

Segundo Paim, Renan Calheiros reafirmou o compromisso de não dar andamento ao processo antes do final das audiências. “Falei ontem com o presidente Renan e a posição dele continua sendo a mesma, que temos de regulamentar a situação de 13 milhões de terceirizados e vamos marcar para semana que vem uma reunião com ele e com todas as centrais. Seria muito importante que o movimento sindical entregasse uma cópia da proposta que as centrais sindicais já elaboraram”, pontuou. Ao lado das centrais sindicais, o parlamentar apresentou o requerimento para uma audiência com Calheiros, que deve ocorrer no início da próxima semana.

Secretária de Relações do Trabalho da CUT, Graça Costa acredita que a reação patronal é um sinal de incômodo com o resultado que as audiências trazem. “Com a jornada de debates, os trabalhadores começaram a compreender que o projeto prega uma precarização sem fim e que não traz grandes garantias e grandes mudanças em relação ao que temos hoje para os terceirizados, nem mesmo com igualdade de direitos. Com as audiências, os empresários sentiram que havia uma reação negativa com a pauta principal deles que é a terceirização sem limites.”, disse.

Estratégia na Agenda
Após ser aprovado na Câmara dos Deputados, o PLC 30/2015 foi distribuído no Senado para cinco comissões, entre elas, a de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH). Caso seguisse os trâmites normais, o texto seria debatido por mais um ano.

No início de agosto, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), apresentou um pacote de medidas para o país, a chamada Agenda Brasil, que incluía a regulamentação da terceirização. A estratégia patronal passou a ser focar na aprovação dessa agenda. Com isso, ao invés de passar por cinco comissões, o projeto está somente na Comissão Especial da Agenda. Após a provação, seguirá direto ao plenário do Senado e, depois, para o plenário da Câmara.

De acordo com Paulo Paim, a ideia é apresentar o parecer final somente após a última audiência, em março do ano que vem. “Até lá passaremos por todos os estados para ter parecer final sobre o projeto que vai na linha de estender aos terceirizados os mesmos direitos dos que não são terceirizados. E, ao mesmo tempo, garantir que não haja terceirização na atividade-fim”, declarou.

“Apenas os empresários defendem esse projeto, todos os outros segmentos da sociedade, incluindo a grande maioria do movimento sindical e os magistrados do TST (Tribunal Superior do Trabalho), são contra. A aceleração do processo nos deixa muito preocupados, porque entendemos ser necessário fazer um debate amplo sobre essa medida que afetará 35 milhões de trabalhadores efetivos”, acrescenta Graça.

Fragilidades trabalhistas
Entre os retrocessos, o texto do projeto abre a possibilidade de contratação de terceirizados na atividade-fim (a principal da empresa), inclusive para estatais e sociedades de economias mistas como Banco do Brasil, Petrobras e Caixa Econômica Federal.

O projeto também permite que as terceirizadas sejam associações ou cooperativas e possibilita a criação de outra categoria econômica, a de prestadores de serviços. Isso facilita a transformação dos trabalhadores com carteira assinada em pessoas jurídicas (PJ), sem direitos como 13º salário, férias e FGTS, e afeta diretamente a possibilidade de representação sindical.

Há ainda um mecanismo no PL que trata da permissão aos trabalhadores para se tornarem sócios das empresas contratantes depois de 12 meses do seu desligamento. Exigência de prazo que deixa de existir em caso de trabalhador aposentado. Esse trecho, casado à possibilidade de serviços realizados por cooperativas, pode gerar uma enxurrada de CNPJs.

O PLC 30 também deixa em dúvida o objetivo da terceirização, que teria como finalidade suprir a necessidade de uma empresa em uma atividade específica, por meio da contratação de uma empresa especializada. Mas ao permitir que a terceirizada contrate outra para prestar determinado serviço, contraria esse princípio.

Título: Pressão patronal não irá acelerar terceirização, Conteúdo: Nesta quarta-feira (28), presidentes de organizações patronais tentaram ameaçar o processo democrático de discussão do Projeto de Lei da Câmara (PLC) 30/2015, que trata da terceirização sem limites. Em reunião com o presidente do Senado, Renan Calheiros, representantes da Confederação Nacional da Indústria (CNI), da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e da Confederação Nacional das Cooperativas (CNCoop) apresentaram emendas que prejudicam ainda mais os/as trabalhadores/as e pediram que a voltação fosse acelerada. Relator do Projeto, o senador Paulo Paim (PT-RS) afirmou que a pressão patronal não vai romper a discussão da proposta. Em uma caravana por todo o Brasil, as audiências públicas do Senado sobre a terceirização já percorreram 21 estados. Ainda neste ano, estão marcados encontros no Pará (5/11), Amapá (6/11) e Espírito Santo (19/11). Em 2016, os debates acontecerão em Mato Grosso (18/2), Mato Grosso do Sul (19/2), Sergipe (25/2), Alagoas (26/2), Tocantins (10/3) e Goiás (11/3). O encerramento será no Congresso Nacional, no dia 12 de maio, com um balanço das atividades. Segundo Paim, Renan Calheiros reafirmou o compromisso de não dar andamento ao processo antes do final das audiências. “Falei ontem com o presidente Renan e a posição dele continua sendo a mesma, que temos de regulamentar a situação de 13 milhões de terceirizados e vamos marcar para semana que vem uma reunião com ele e com todas as centrais. Seria muito importante que o movimento sindical entregasse uma cópia da proposta que as centrais sindicais já elaboraram”, pontuou. Ao lado das centrais sindicais, o parlamentar apresentou o requerimento para uma audiência com Calheiros, que deve ocorrer no início da próxima semana. Secretária de Relações do Trabalho da CUT, Graça Costa acredita que a reação patronal é um sinal de incômodo com o resultado que as audiências trazem. “Com a jornada de debates, os trabalhadores começaram a compreender que o projeto prega uma precarização sem fim e que não traz grandes garantias e grandes mudanças em relação ao que temos hoje para os terceirizados, nem mesmo com igualdade de direitos. Com as audiências, os empresários sentiram que havia uma reação negativa com a pauta principal deles que é a terceirização sem limites.”, disse. Estratégia na Agenda Após ser aprovado na Câmara dos Deputados, o PLC 30/2015 foi distribuído no Senado para cinco comissões, entre elas, a de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH). Caso seguisse os trâmites normais, o texto seria debatido por mais um ano. No início de agosto, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), apresentou um pacote de medidas para o país, a chamada Agenda Brasil, que incluía a regulamentação da terceirização. A estratégia patronal passou a ser focar na aprovação dessa agenda. Com isso, ao invés de passar por cinco comissões, o projeto está somente na Comissão Especial da Agenda. Após a provação, seguirá direto ao plenário do Senado e, depois, para o plenário da Câmara. De acordo com Paulo Paim, a ideia é apresentar o parecer final somente após a última audiência, em março do ano que vem. “Até lá passaremos por todos os estados para ter parecer final sobre o projeto que vai na linha de estender aos terceirizados os mesmos direitos dos que não são terceirizados. E, ao mesmo tempo, garantir que não haja terceirização na atividade-fim”, declarou. “Apenas os empresários defendem esse projeto, todos os outros segmentos da sociedade, incluindo a grande maioria do movimento sindical e os magistrados do TST (Tribunal Superior do Trabalho), são contra. A aceleração do processo nos deixa muito preocupados, porque entendemos ser necessário fazer um debate amplo sobre essa medida que afetará 35 milhões de trabalhadores efetivos”, acrescenta Graça. Fragilidades trabalhistas Entre os retrocessos, o texto do projeto abre a possibilidade de contratação de terceirizados na atividade-fim (a principal da empresa), inclusive para estatais e sociedades de economias mistas como Banco do Brasil, Petrobras e Caixa Econômica Federal. O projeto também permite que as terceirizadas sejam associações ou cooperativas e possibilita a criação de outra categoria econômica, a de prestadores de serviços. Isso facilita a transformação dos trabalhadores com carteira assinada em pessoas jurídicas (PJ), sem direitos como 13º salário, férias e FGTS, e afeta diretamente a possibilidade de representação sindical. Há ainda um mecanismo no PL que trata da permissão aos trabalhadores para se tornarem sócios das empresas contratantes depois de 12 meses do seu desligamento. Exigência de prazo que deixa de existir em caso de trabalhador aposentado. Esse trecho, casado à possibilidade de serviços realizados por cooperativas, pode gerar uma enxurrada de CNPJs. O PLC 30 também deixa em dúvida o objetivo da terceirização, que teria como finalidade suprir a necessidade de uma empresa em uma atividade específica, por meio da contratação de uma empresa especializada. Mas ao permitir que a terceirizada contrate outra para prestar determinado serviço, contraria esse princípio.



Informativo CONFETAM

Cadastre-se e receba periodicamente
nossos boletins informativos.