Webmail CUT

Acesse seu Webmail CUT


Login CUT

Acesse a CUT

Esqueceu a senha?

Prefeitura de Curitiba desaposenta professoras de educação infantil

O Sindicato dos Servidores Públicos Municipais (Sismuc) não medirá esforços para garantir a aposentadoria especial

Escrito por: Manoel Ramires • Publicado em: 26/01/2017 - 15:34 • Última modificação: 27/01/2017 - 16:04 Escrito por: Manoel Ramires Publicado em: 26/01/2017 - 15:34 Última modificação: 27/01/2017 - 16:04

Reprodução internet Aposentadoria foi anunciada pelo prefeito e secretarias

Uma foto. Uma placa. 25 anos de história. Em setembro de 2016, às vésperas da eleição municipal, o prefeito Gustavo Fruet (PDT) e duas secretárias municipais participavam de cerimônia na Prefeitura de Curitiba para comemorar a aposentadoria especial de duas professoras de educação infantil. Rosangela das Graças Pereira Schardosim e Aparecida de Lourdes Alves Campos eram as duas primeiras servidoras a usufruir o direito após as duas greves da categoria que conquistaram a redução de tempo de trabalho. A mudança era comemorada pela secretária de educação, Roberlayne Roballo: “Elas acabam de iniciar uma nova fase de vida. São as primeiras profissionais da educação infantil da Rede Municipal de Ensino de Curitiba a terem autorizadas as aposentadorias especiais, aos 25 anos de carreira”, celebrava.

Quatro meses depois chegou a decepção. Em desabafo nas redes sociais, a professora Rosangela Schardosim, que na foto é vista entre o prefeito e a secretaria de recursos humanos Meroujy Cavet, se diz revoltada por também ser a primeira professora chamada a ‘desaposentar’.

“No dia quatro de janeiro fui chamada pra receber a informação e assinar um documento de indeferimento dá aposentadoria. Me disseram que o Tribunal de Contas (TCE) não aceitou. Esse processo de aposentadoria começou em nove de fevereiro de 2016 e passou por vários departamentos onde, através de uma senha, eu pude acompanhar pelo site do IPMC”, descreve sua peregrinação até conseguir se aposentar.

 

No fim de dezembro, o Sismuc noticiou que a Prefeitura de Curitiba estava recuando na concessão das aposentadorias especiais. A gestão informava de que o pedido era indeferido pelo Tribunal de Contas do Estado. Nos cálculos do sindicato, 80 professoras que fizeram o pedido podem ser prejudicadas.

Para o advogado do Sismuc, Ludimar Rafanhim, o indeferimento da aposentadoria é um equívoco. O especialista afirma que as professoras têm o direito a se aposentar e que a entidade não medirá esforços para que o direito seja usufruído. “Precisamos saber o que levou o Tribunal de Contas a negar a aposentadoria. Essa informação também serve de base para outros indeferimentos que possam vir a ocorrer”, orienta.

A coordenadora do jurídico do Sismuc, Adriana Claudia Kalckmann, reforça o entendimento de que a aposentadoria especial para as professoras de educação infantil é legal. “Está na lei. Nós reunimos vasta documentação comprovando o desempenho das atividades e um estudo jurídico. Nossa assessoria, inclusive, descobriu que para o Supremo Tribunal Federal, até professores leigos têm direito a aposentadoria especial”, compara.

O artigo 18, da lei municipal 14580/14, esclarece quem tem direito a se aposentar: “Para os fins da obtenção da aposentadoria especial prevista no art. 40, § 5º, da Constituição Federal, o Professor de Educação Infantil terá computado exclusivamente o tempo de contribuição exercido em atividades de magistério na educação infantil, independentemente do cargo ocupado”, define.

Diante disso, a orientação da entidade, que entrará em contato com a professora Rosangela Schardosim e com as demais profissionais que tenham o direito negado, é que tragam ao Sismuc o documento que justifica a negativa. A partir daí que o departamento jurídico pode recorrer da decisão. O sindicato também vai marcar reunião com a secretaria de recursos humanos e com o Instituto de Previdência Municipal de Curitiba. A intenção é verificar se a Prefeitura de Curitiba ofereceu todas as informações necessárias ao TCE para que esse decidisse sobre a aposentadoria de Rosangela Schardosim e demais servidoras que solicitem a aposentadoria.

Para o Sismuc, a solução do caso é urgente, pois influencia fortemente na vida das pessoas, como desabafa Rosangela: “Escrevi tudo isso porque quando me aposentei, saiu nas redes sociais no site da prefeitura. Mas agora pelo jeito ninguém ficou sabendo dá minha desaposentadoria. Ridículo tudo isso”, expõe.

 

Título: Prefeitura de Curitiba desaposenta professoras de educação infantil, Conteúdo: Uma foto. Uma placa. 25 anos de história. Em setembro de 2016, às vésperas da eleição municipal, o prefeito Gustavo Fruet (PDT) e duas secretárias municipais participavam de cerimônia na Prefeitura de Curitiba para comemorar a aposentadoria especial de duas professoras de educação infantil. Rosangela das Graças Pereira Schardosim e Aparecida de Lourdes Alves Campos eram as duas primeiras servidoras a usufruir o direito após as duas greves da categoria que conquistaram a redução de tempo de trabalho. A mudança era comemorada pela secretária de educação, Roberlayne Roballo: “Elas acabam de iniciar uma nova fase de vida. São as primeiras profissionais da educação infantil da Rede Municipal de Ensino de Curitiba a terem autorizadas as aposentadorias especiais, aos 25 anos de carreira”, celebrava. Quatro meses depois chegou a decepção. Em desabafo nas redes sociais, a professora Rosangela Schardosim, que na foto é vista entre o prefeito e a secretaria de recursos humanos Meroujy Cavet, se diz revoltada por também ser a primeira professora chamada a ‘desaposentar’. “No dia quatro de janeiro fui chamada pra receber a informação e assinar um documento de indeferimento dá aposentadoria. Me disseram que o Tribunal de Contas (TCE) não aceitou. Esse processo de aposentadoria começou em nove de fevereiro de 2016 e passou por vários departamentos onde, através de uma senha, eu pude acompanhar pelo site do IPMC”, descreve sua peregrinação até conseguir se aposentar.   No fim de dezembro, o Sismuc noticiou que a Prefeitura de Curitiba estava recuando na concessão das aposentadorias especiais. A gestão informava de que o pedido era indeferido pelo Tribunal de Contas do Estado. Nos cálculos do sindicato, 80 professoras que fizeram o pedido podem ser prejudicadas. Para o advogado do Sismuc, Ludimar Rafanhim, o indeferimento da aposentadoria é um equívoco. O especialista afirma que as professoras têm o direito a se aposentar e que a entidade não medirá esforços para que o direito seja usufruído. “Precisamos saber o que levou o Tribunal de Contas a negar a aposentadoria. Essa informação também serve de base para outros indeferimentos que possam vir a ocorrer”, orienta. A coordenadora do jurídico do Sismuc, Adriana Claudia Kalckmann, reforça o entendimento de que a aposentadoria especial para as professoras de educação infantil é legal. “Está na lei. Nós reunimos vasta documentação comprovando o desempenho das atividades e um estudo jurídico. Nossa assessoria, inclusive, descobriu que para o Supremo Tribunal Federal, até professores leigos têm direito a aposentadoria especial”, compara. O artigo 18, da lei municipal 14580/14, esclarece quem tem direito a se aposentar: “Para os fins da obtenção da aposentadoria especial prevista no art. 40, § 5º, da Constituição Federal, o Professor de Educação Infantil terá computado exclusivamente o tempo de contribuição exercido em atividades de magistério na educação infantil, independentemente do cargo ocupado”, define. Diante disso, a orientação da entidade, que entrará em contato com a professora Rosangela Schardosim e com as demais profissionais que tenham o direito negado, é que tragam ao Sismuc o documento que justifica a negativa. A partir daí que o departamento jurídico pode recorrer da decisão. O sindicato também vai marcar reunião com a secretaria de recursos humanos e com o Instituto de Previdência Municipal de Curitiba. A intenção é verificar se a Prefeitura de Curitiba ofereceu todas as informações necessárias ao TCE para que esse decidisse sobre a aposentadoria de Rosangela Schardosim e demais servidoras que solicitem a aposentadoria. Para o Sismuc, a solução do caso é urgente, pois influencia fortemente na vida das pessoas, como desabafa Rosangela: “Escrevi tudo isso porque quando me aposentei, saiu nas redes sociais no site da prefeitura. Mas agora pelo jeito ninguém ficou sabendo dá minha desaposentadoria. Ridículo tudo isso”, expõe.  



Informativo CONFETAM

Cadastre-se e receba periodicamente
nossos boletins informativos.