Webmail CUT

Acesse seu Webmail CUT


Login CUT

Acesse a CUT

Esqueceu a senha?

Por um "novo normal" com igualdade e equidade de gênero

O Comitê Regional de Mulheres (CRM) da ISP Interamérica reuniu-se virtualmente no dia 6 de maio com a finalidade de estabelecer as etapas de trabalho para 2020 e após a pandemia

Escrito por: Confetam • Publicado em: 15/05/2020 - 15:10 • Última modificação: 15/05/2020 - 15:31 Escrito por: Confetam Publicado em: 15/05/2020 - 15:10 Última modificação: 15/05/2020 - 15:31

Reprodução da Internet

É o “momento de revitalizar e radicalizar o NOSOTRAS, para elevar a perspectiva de gênero na mirada e respeitar o momento da Emergência como função da 'Nova Normalidade' que apresenta o COVID19 no mundo, logrando novamente a agenda do WOC (Comitê Mundial de Mulheres do ISP) em nível mundial e articulado à política global que a ISP plantou para responder à crise".

Igualmente, é fundamental “ter uma oportunidade de transformação que implemente uma nova ordem mundial / nova normalidade com igualdade”.

Essas foram algumas das estratégias estabelecidas pelos dirigentes sindicais que participam no dia 6 de maio da reunião virtual do Comitê Regional de Mulheres do Internacional de Serviços Públicos (ISP) nas Américas. Os principais grupos de trabalho de equipe definido no fórum de inclusão incluído no Plano de Ação do ISP Américas para 2020 , aprovado na reunião do Comitê Executivo Regional Interamericano (IAMREC) realizada em 29 de abril.

"É óbvio que as crises exacerbam as contradições, oriundas da estrutura e da conjuntura, levam à exacerbação e destacam desigualdades, situações de desvantagem para grupos vulneráveis, para o pleno exercício dos direitos humanos, entre eles, os direitos humanos das mulheres ”, disse na introdução à reunião a Diretora Mundial da Igualdade de Gênero, Verónica Montúfar.

Ela explicou que, devido à divisão sexual do trabalho, o trabalho das mulheres é dividido em duas áreas: reprodutiva e produtiva. “Sabemos que o trabalho reprodutivo apóia a reprodução da vida e da força de trabalho essencial para o capital. Agora, com essa crise, ela ainda está nas mãos das mulheres, mas, devido à situação de distanciamento social e quarentena, o impacto é maior, pois esse trabalho reprodutivo colide com o trabalho produtivo. As condições de teletrabalho nesta conjuntura são de estresse supremo e resultam em um impacto muito alto na saúde mental. ”

Montúfar defendeu que o CRM se concentra em três níveis de luta: as condições de trabalho das mulheres, especialmente no setor de saúde e serviços sociais; violência e assédio no mundo do trabalho e suas dimensões de gênero, uma realidade que surgiu devido ao fato de a quarentena fazer com que o mundo do trabalho abranja o privado; e influenciar as discussões sobre propostas econômicas pós-crise de maneira diferenciada, enfatizando a abordagem das políticas tributárias e comerciais, com foco na questão de gênero.

Jillian Bartlett, co-presidente do Comitê Regional de Mulheres, fez um relatório sobre a situação no Caribe no contexto da pandemia de coronavírus. Segundo ela, em nenhum país há números confiáveis ​​de infecção - há, portanto, uma alta taxa de subnotificação. Apesar da falta de dados específicos, disse ela, em seu país, Trinidad e Tobago, há uma alta taxa de contaminação entre as mulheres que trabalham na área da saúde. Muitos desses profissionais também precisam lutar para tentar ter acesso ao equipamento de proteção individual (EPI).

“Não havia planejamento para a resposta ao Covid-19, embora soubéssemos que estava chegando. Isso aumenta o nível de ansiedade. Portanto, precisamos estar juntos compartilhando informações e exemplos de ações dos afiliados da ISP em resposta à pandemia. Dessa forma, criamos uma fonte de ações e melhores práticas, para que não tenhamos que reinventar a roda ", afirmou.

Carolina Espinoza, parceira de Bartlett na Co-Presidência do Comitê Regional de Mulheres, expressou que, em uma situação como a que vivemos hoje, a situação de desigualdade, injustiça e fragilidade que o sistema econômico que domina o planeta tem, mais especificamente, é: "O neoliberalismo, que faz de tudo um negócio e, por exemplo, privatiza os serviços públicos, incluindo a saúde".

Uma das desigualdades que se torna clara no momento é a do gênero. Espinoza explicou que em situações de confinamento se intensifica o trabalho de reproduzir a vida e a força de trabalho mencionada por Verónica Montúfar, uma vez que é necessária maior atenção às medidas de higiene e cuidado familiar. “Isso enfatiza as condições de vida das mulheres em todos os territórios. E ainda mais, quando o teletrabalho é implementado vertiginosamente, uma modalidade desregulada impulsionada por quem tem poder, isto é, governos e poder econômico, sem salvaguardar os direitos trabalhistas que isso implica ”, alertou.

Espinoza também destacou o aumento da violência de gênero devido a medidas de confinamento e como, neste momento, também pode ser considerada como violência no local de trabalho. Portanto, é necessário trabalhar para pressionar os países da região interamericana a ratificarem a Convenção 190 sobre Violência e Assédio no Mundo do Trabalho da Organização Internacional do Trabalho (OIT).

Em seu comentário final, Verónica Montúfar apontou a “importância de reviver e radicalizar 'nós'. Está na hora de esse comitê, além de ser um espaço de reflexão, também ser um espaço para a política na ISP”.

Jillian Bartlett, por sua vez, terminou dizendo que o “novo normal” deve ser “aquele em que os recursos são compartilhados, em que os serviços públicos permanecem em mãos públicas e em que a relevância dos valores sociais de todos os trabalhadores ”.


EIXOS DE TRABALHO ESTABELECIDOS PELO COMITÊ REGIONAL DE MULHERES

• Estratégia:

a) Momento de reviver e radicalizar os EUA, elevar a perspectiva de gênero no olhar e resposta ao momento da emergência em função da "Nova Normalidade" que o COVID19 apresenta ao mundo, conseguindo retomar a agenda do WOC em nível nacional. e articular-nos à política global que a PSI propôs para responder à crise.

b) Faça disso uma oportunidade para transformações que impliquem uma nova ordem mundial / nova normalidade com igualdade.

• Trabalho feminino:

a) Escopo: Trabalho reprodutivo (assistência) e trabalho produtivo. Trabalho nos setores de linha de frente na resposta cotidiana à pandemia, com predominância da força de trabalho feminina e dos setores essenciais de serviço público.

b) Condições: extensão do dia útil, efeitos sobre a saúde mental, disparidades salariais entre homens e mulheres, segregação horizontal e vertical entre homens e mulheres.

c) Novas modalidades: teletrabalho e condições de distanciamento social.

d) Transversalidade da violência de gênero no mundo do trabalho: educação, pressão pela ratificação do C190 e implementação das disposições do acordo, sempre que possível por meio de acordos coletivos, diálogo social direto.

• Serviços públicos de qualidade que transformam as relações de gênero:

a) Propriedade pública única, garantia para o pleno exercício dos direitos humanos da mulher.

b) Acesso a serviços públicos de saúde sexual e reprodutiva das mulheres durante a emergência.

c) Acesso a serviços públicos para atenção, prevenção e contenção da violência de gênero durante a emergência.

• Economia mundial:

a) Tributação.

b) comércio internacional.

 

Traduzido do original em espanhol: https://publicservices.international/resources/news/por-una-nueva-normalidad-con-igualdad-y-equidad-de-gnero?id=10806&lang=es

 

 

 
Título: Por um "novo normal" com igualdade e equidade de gênero, Conteúdo: É o “momento de revitalizar e radicalizar o NOSOTRAS, para elevar a perspectiva de gênero na mirada e respeitar o momento da Emergência como função da Nova Normalidade que apresenta o COVID19 no mundo, logrando novamente a agenda do WOC (Comitê Mundial de Mulheres do ISP) em nível mundial e articulado à política global que a ISP plantou para responder à crise. Igualmente, é fundamental “ter uma oportunidade de transformação que implemente uma nova ordem mundial / nova normalidade com igualdade”. Essas foram algumas das estratégias estabelecidas pelos dirigentes sindicais que participam no dia 6 de maio da reunião virtual do Comitê Regional de Mulheres do Internacional de Serviços Públicos (ISP) nas Américas. Os principais grupos de trabalho de equipe definido no fórum de inclusão incluído no Plano de Ação do ISP Américas para 2020 , aprovado na reunião do Comitê Executivo Regional Interamericano (IAMREC) realizada em 29 de abril. É óbvio que as crises exacerbam as contradições, oriundas da estrutura e da conjuntura, levam à exacerbação e destacam desigualdades, situações de desvantagem para grupos vulneráveis, para o pleno exercício dos direitos humanos, entre eles, os direitos humanos das mulheres ”, disse na introdução à reunião a Diretora Mundial da Igualdade de Gênero, Verónica Montúfar. Ela explicou que, devido à divisão sexual do trabalho, o trabalho das mulheres é dividido em duas áreas: reprodutiva e produtiva. “Sabemos que o trabalho reprodutivo apóia a reprodução da vida e da força de trabalho essencial para o capital. Agora, com essa crise, ela ainda está nas mãos das mulheres, mas, devido à situação de distanciamento social e quarentena, o impacto é maior, pois esse trabalho reprodutivo colide com o trabalho produtivo. As condições de teletrabalho nesta conjuntura são de estresse supremo e resultam em um impacto muito alto na saúde mental. ” Montúfar defendeu que o CRM se concentra em três níveis de luta: as condições de trabalho das mulheres, especialmente no setor de saúde e serviços sociais; violência e assédio no mundo do trabalho e suas dimensões de gênero, uma realidade que surgiu devido ao fato de a quarentena fazer com que o mundo do trabalho abranja o privado; e influenciar as discussões sobre propostas econômicas pós-crise de maneira diferenciada, enfatizando a abordagem das políticas tributárias e comerciais, com foco na questão de gênero. Jillian Bartlett, co-presidente do Comitê Regional de Mulheres, fez um relatório sobre a situação no Caribe no contexto da pandemia de coronavírus. Segundo ela, em nenhum país há números confiáveis ​​de infecção - há, portanto, uma alta taxa de subnotificação. Apesar da falta de dados específicos, disse ela, em seu país, Trinidad e Tobago, há uma alta taxa de contaminação entre as mulheres que trabalham na área da saúde. Muitos desses profissionais também precisam lutar para tentar ter acesso ao equipamento de proteção individual (EPI). “Não havia planejamento para a resposta ao Covid-19, embora soubéssemos que estava chegando. Isso aumenta o nível de ansiedade. Portanto, precisamos estar juntos compartilhando informações e exemplos de ações dos afiliados da ISP em resposta à pandemia. Dessa forma, criamos uma fonte de ações e melhores práticas, para que não tenhamos que reinventar a roda , afirmou. Carolina Espinoza, parceira de Bartlett na Co-Presidência do Comitê Regional de Mulheres, expressou que, em uma situação como a que vivemos hoje, a situação de desigualdade, injustiça e fragilidade que o sistema econômico que domina o planeta tem, mais especificamente, é: O neoliberalismo, que faz de tudo um negócio e, por exemplo, privatiza os serviços públicos, incluindo a saúde. Uma das desigualdades que se torna clara no momento é a do gênero. Espinoza explicou que em situações de confinamento se intensifica o trabalho de reproduzir a vida e a força de trabalho mencionada por Verónica Montúfar, uma vez que é necessária maior atenção às medidas de higiene e cuidado familiar. “Isso enfatiza as condições de vida das mulheres em todos os territórios. E ainda mais, quando o teletrabalho é implementado vertiginosamente, uma modalidade desregulada impulsionada por quem tem poder, isto é, governos e poder econômico, sem salvaguardar os direitos trabalhistas que isso implica ”, alertou. Espinoza também destacou o aumento da violência de gênero devido a medidas de confinamento e como, neste momento, também pode ser considerada como violência no local de trabalho. Portanto, é necessário trabalhar para pressionar os países da região interamericana a ratificarem a Convenção 190 sobre Violência e Assédio no Mundo do Trabalho da Organização Internacional do Trabalho (OIT). Em seu comentário final, Verónica Montúfar apontou a “importância de reviver e radicalizar nós. Está na hora de esse comitê, além de ser um espaço de reflexão, também ser um espaço para a política na ISP”. Jillian Bartlett, por sua vez, terminou dizendo que o “novo normal” deve ser “aquele em que os recursos são compartilhados, em que os serviços públicos permanecem em mãos públicas e em que a relevância dos valores sociais de todos os trabalhadores ”. EIXOS DE TRABALHO ESTABELECIDOS PELO COMITÊ REGIONAL DE MULHERES • Estratégia: a) Momento de reviver e radicalizar os EUA, elevar a perspectiva de gênero no olhar e resposta ao momento da emergência em função da Nova Normalidade que o COVID19 apresenta ao mundo, conseguindo retomar a agenda do WOC em nível nacional. e articular-nos à política global que a PSI propôs para responder à crise. b) Faça disso uma oportunidade para transformações que impliquem uma nova ordem mundial / nova normalidade com igualdade. • Trabalho feminino: a) Escopo: Trabalho reprodutivo (assistência) e trabalho produtivo. Trabalho nos setores de linha de frente na resposta cotidiana à pandemia, com predominância da força de trabalho feminina e dos setores essenciais de serviço público. b) Condições: extensão do dia útil, efeitos sobre a saúde mental, disparidades salariais entre homens e mulheres, segregação horizontal e vertical entre homens e mulheres. c) Novas modalidades: teletrabalho e condições de distanciamento social. d) Transversalidade da violência de gênero no mundo do trabalho: educação, pressão pela ratificação do C190 e implementação das disposições do acordo, sempre que possível por meio de acordos coletivos, diálogo social direto. • Serviços públicos de qualidade que transformam as relações de gênero: a) Propriedade pública única, garantia para o pleno exercício dos direitos humanos da mulher. b) Acesso a serviços públicos de saúde sexual e reprodutiva das mulheres durante a emergência. c) Acesso a serviços públicos para atenção, prevenção e contenção da violência de gênero durante a emergência. • Economia mundial: a) Tributação. b) comércio internacional.   Traduzido do original em espanhol: https://publicservices.international/resources/news/por-una-nueva-normalidad-con-igualdad-y-equidad-de-gnero?id=10806&lang=es      



Informativo CONFETAM

Cadastre-se e receba periodicamente
nossos boletins informativos.