Webmail CUT

Acesse seu Webmail CUT


Login CUT

Acesse a CUT

Esqueceu a senha?

Municipários de Quaraí rejeitam RPPS e lutam pelo fundo previdenciário

Escrito por: • Publicado em: 17/10/2013 - 00:00 Escrito por: Publicado em: 17/10/2013 - 00:00

No dia 12 de outubro, em assembleia geral Extraordinária, os servidores públicos municipais de Quaraí decidiram não aceitar a proposta do governo municipal de implantar o Regime Próprio de Previdência Social (RPPS), em razão do forte achatamento salarial que a classe vem sofrendo ao longo dos últimos 20 anos.
“Os servidores públicos entendem que é preciso cuidar da classe, é preciso mudar a história vivida, precisamos de valorização, precisamos de um governo que atenda os anseios da classe e que dê atenção para a vida funcional dos servidores públicos deste município”, afirmou Deise França Gonçalves, presidente do Sindicato dos Municipários de Quaraí (SIMUQ).
Com a implantação do Regime Próprio de Previdência, o fator previdenciário deixaria de existir e, também, não haveria mais a média de contribuições. “Os servidores poderiam ir para casa com o último salário, mas qual a vantagem para uma classe que virou assalariada?”, questionou a dirigente do sindicato.
A posição do Sindicato, aprovada pela maioria, é pela implantação do Fundo de Pensão. Todo o processo de organização do SIMUQ para debater o tema junto aos municipários contou com o apoio da Federação dos Municipários do Estado do Rio Grande do Sul (FEMERGS) e da Central Única dos Trabalhadores (CUT).
Participaram da assembleia geral do SIMUQ, os secretários da FEMERGS: de Formação, Gerson Pereira, e de Assuntos Previdenciários, Márcio Nunes, além do coordenador da Regional Fronteira Oeste da Federação, Aldair Carvalho.
Fonte: FEMERGS

Título: Municipários de Quaraí rejeitam RPPS e lutam pelo fundo previdenciário, Conteúdo: No dia 12 de outubro, em assembleia geral Extraordinária, os servidores públicos municipais de Quaraí decidiram não aceitar a proposta do governo municipal de implantar o Regime Próprio de Previdência Social (RPPS), em razão do forte achatamento salarial que a classe vem sofrendo ao longo dos últimos 20 anos. “Os servidores públicos entendem que é preciso cuidar da classe, é preciso mudar a história vivida, precisamos de valorização, precisamos de um governo que atenda os anseios da classe e que dê atenção para a vida funcional dos servidores públicos deste município”, afirmou Deise França Gonçalves, presidente do Sindicato dos Municipários de Quaraí (SIMUQ). Com a implantação do Regime Próprio de Previdência, o fator previdenciário deixaria de existir e, também, não haveria mais a média de contribuições. “Os servidores poderiam ir para casa com o último salário, mas qual a vantagem para uma classe que virou assalariada?”, questionou a dirigente do sindicato. A posição do Sindicato, aprovada pela maioria, é pela implantação do Fundo de Pensão. Todo o processo de organização do SIMUQ para debater o tema junto aos municipários contou com o apoio da Federação dos Municipários do Estado do Rio Grande do Sul (FEMERGS) e da Central Única dos Trabalhadores (CUT). Participaram da assembleia geral do SIMUQ, os secretários da FEMERGS: de Formação, Gerson Pereira, e de Assuntos Previdenciários, Márcio Nunes, além do coordenador da Regional Fronteira Oeste da Federação, Aldair Carvalho. Fonte: FEMERGS



Informativo CONFETAM

Cadastre-se e receba periodicamente
nossos boletins informativos.