Webmail CUT

Acesse seu Webmail CUT


Login CUT

Acesse a CUT

Esqueceu a senha?

Movimento sindical pode aproveitar a crise para mostrar que um outro mundo é possível

Afirmação foi feita pelo presidente da CUT no congresso da CSI, durante debate sobre saídas para a crise econômica mundial

Escrito por: • Publicado em: 23/05/2014 - 00:00 Escrito por: Publicado em: 23/05/2014 - 00:00

“A crise é um momento importante para o movimento sindical internacional assumir o protagonismo e a hegemonia na disputa com os capitalistas em defesa dos direitos da classe trabalhadora”.
Foi com essa afirmação que o presidente da CUT, Vagner Freitas, iniciou seu pronunciamento na plenária no Congresso da Confederação Sindical Internacional (CSI), que discutiu saídas para a crise econômica mundial, que começou em 2008 com a quebra do banco Lehman Brothers, dos Estados Unidos.
Para Vagner, o momento não é de lamúria nem lamentação e, sim, de organizar a base, fortalecer e aumentar a representatividade dos sindicatos para construir alternativas para a crise econômica. “Temos de nos organizar para propor soluções a partir da realidade e das necessidades e anseios da classe trabalhadora”.
Na opinião do presidente da CUT, quem construiu a crise financeira que ainda afeta grande parte da economia de países da Europa, foram os economistas. E eles, afirmou, já demonstraram que não têm solução. “Na verdade, nunca sugeriram alternativas para nada, mas agora fica mais claro que estão perdidos, sem saber o que fazer”, disse Vagner.
O sindicalista lembrou que a falta de propostas leva alguns economistas e jornalistas econômicos a escrever até sobre uma questão que os sindicalistas brasileiros já debatem há muitos anos e eles ironizavam, que é a diferença entre crescimento e desenvolvimento.
“Não podemos nos contentar simplesmente com o crescimento de PIB em 2%, 3% ou 4% ao ano, quando isso significa também concentração de renda, sem desenvolvimento. Pelo contrário, com aumento de desigualdade social. Os mais ricos ficam cada vez mais ricos e os mais pobres cada vez mais pobres”, argumentou Vagner.
Segundo o sindicalista, esse momento de crise, de falta de propostas dos capitalistas e dos economistas a eles ligados, é o momento do movimento sindical fazer a contraposição, aproveitar a oportunidade, fazer propostas concretas. “Vamos mostrar que um outro mundo é possível, mostrar que temos capacidade de fazer propostas que venham a partir da classe trabalhadora.”
Para Vagner, o grande desafio da nova gestão da CSI é construir uma proposta de enfrentamento da crise e aprofundar a disputa de concepção de sociedade.
O congresso que a Confederação Sindical Internacional está realizando em Berlim, capital da Alemanha, até sexta-feira, vai eleger o primeiro sindicalista das américas, o brasileiro João Felício (secretário de Relações Internacionais da CUT) presidente da entidade.
Fonte: CUT Nacional

Título: Movimento sindical pode aproveitar a crise para mostrar que um outro mundo é possível, Conteúdo: “A crise é um momento importante para o movimento sindical internacional assumir o protagonismo e a hegemonia na disputa com os capitalistas em defesa dos direitos da classe trabalhadora”. Foi com essa afirmação que o presidente da CUT, Vagner Freitas, iniciou seu pronunciamento na plenária no Congresso da Confederação Sindical Internacional (CSI), que discutiu saídas para a crise econômica mundial, que começou em 2008 com a quebra do banco Lehman Brothers, dos Estados Unidos. Para Vagner, o momento não é de lamúria nem lamentação e, sim, de organizar a base, fortalecer e aumentar a representatividade dos sindicatos para construir alternativas para a crise econômica. “Temos de nos organizar para propor soluções a partir da realidade e das necessidades e anseios da classe trabalhadora”. Na opinião do presidente da CUT, quem construiu a crise financeira que ainda afeta grande parte da economia de países da Europa, foram os economistas. E eles, afirmou, já demonstraram que não têm solução. “Na verdade, nunca sugeriram alternativas para nada, mas agora fica mais claro que estão perdidos, sem saber o que fazer”, disse Vagner. O sindicalista lembrou que a falta de propostas leva alguns economistas e jornalistas econômicos a escrever até sobre uma questão que os sindicalistas brasileiros já debatem há muitos anos e eles ironizavam, que é a diferença entre crescimento e desenvolvimento. “Não podemos nos contentar simplesmente com o crescimento de PIB em 2%, 3% ou 4% ao ano, quando isso significa também concentração de renda, sem desenvolvimento. Pelo contrário, com aumento de desigualdade social. Os mais ricos ficam cada vez mais ricos e os mais pobres cada vez mais pobres”, argumentou Vagner. Segundo o sindicalista, esse momento de crise, de falta de propostas dos capitalistas e dos economistas a eles ligados, é o momento do movimento sindical fazer a contraposição, aproveitar a oportunidade, fazer propostas concretas. “Vamos mostrar que um outro mundo é possível, mostrar que temos capacidade de fazer propostas que venham a partir da classe trabalhadora.” Para Vagner, o grande desafio da nova gestão da CSI é construir uma proposta de enfrentamento da crise e aprofundar a disputa de concepção de sociedade. O congresso que a Confederação Sindical Internacional está realizando em Berlim, capital da Alemanha, até sexta-feira, vai eleger o primeiro sindicalista das américas, o brasileiro João Felício (secretário de Relações Internacionais da CUT) presidente da entidade. Fonte: CUT Nacional



Informativo CONFETAM

Cadastre-se e receba periodicamente
nossos boletins informativos.