Webmail CUT

Acesse seu Webmail CUT


Login CUT

Acesse a CUT

Esqueceu a senha?

IV Seminário Internacional do Instituto Lavoro discute totalitarismo neoliberal

Evento reunirá participantes de seis países: Itália, França, Espanha, Estados Unidos, Equador e Brasil.

Escrito por: Instituto Lavoro • Publicado em: 06/09/2019 - 15:01 • Última modificação: 06/09/2019 - 15:16 Escrito por: Instituto Lavoro Publicado em: 06/09/2019 - 15:01 Última modificação: 06/09/2019 - 15:16

. .

O Instituto Lavoro realiza nos dias 21 e 22 de novembro, em São Paulo, o IV Seminário Internacional da associação. Com o tema Mais vale o que será: o futuro do trabalho e o trabalho do futuro, o evento ocorrerá no hotel Meliá Paulista, com a participação de representantes de seis países: Itália, França, Espanha, Estados Unidos, Equador e Brasil.

O eixo de reflexão proposto é a necessária tomada de consciência sobre a era de totalitarismo neoliberal em que vivemos para construir uma reação coletiva. Entre as inquietudes que permearão os painéis de discussão estão: O que foi feito do Estado e dos direitos sociais? Qual é a sociabilidade (solidariedade) possível no contexto atual? Como demonstrar que os problemas são estruturais e as soluções, coletivas? Qual o ponto-crítico da contradição social que causará uma reação?

A base teórica do Seminário reside nas aulas ministradas pela filósofa Marilena Chauí e as pesquisas da cientista social Esther Solano, que participaram de Ciclo de Aulas promovido no primeiro semestre, em São Paulo, pelo Instituto Lavoro em parceria com a Casa do Saber.

O tema musical de inspiração é a canção O que foi feito deverá, de Fernando Brant, Milton Nascimento e Marcio Borges:

Se muito vale o já feito,

Mas vale o que será

Mas vale o que será

E o que foi feito é preciso

Conhecer para melhor prosseguir

Confira o programa do Seminário:

21/11 – Quinta-feira

8:00 - Credenciamento

9:00 - Abertura

9:30 - Mesa 1 – Itália

Gianni Arrigo

Federico Martelloni

12:00 - Almoço

14:00 - Mesa 2 – França

Cyril Wolmark

Tatiana Sachs

16:00 às 16:30 - Intervalo

16:30 - Mesa 3 – Brasil 

Júlia Lenzi

Christian Dunker

Adilson Moreira

18:30 - Encerramento do 1º dia

22/11 – Sexta-feira

8:30 - Mesa 4 – Estados Unidos

Cássio Casagrande

Ginny Coughlin

10:30 às 11:00 - Intervalo
 

11:00 - Mesa 5 – Equador – Organismos multilaterais

Adoración Guamán

      María Carola Íñiguez Zambrano

13:00 - Almoço

15:00 - Mesa 6 – Espanha

Joaquín Perez Rey

Laura Mora Cabello de Alba

17:30 às 18:00 - Encerramento do Seminário

*Programa sujeito à alteração.

Veja os palestrantes confirmados: 

Adoración Guamán Hernández

Professora Titular de Direito do Trabalho e da Seguridade Social da Universidade deValência, Espanha. Doutora pelas Universidades de Paris X-Nanterre evalência. Professora convidada da Universidade Paris X. Pesquisadora do Programa de Excelência Prometeo e consultora em direitos humanos e trabalho. Assessora no Ministério das Relações Exteriores e Mobilidade Humana do Equador.

Cássio Casagrande

Doutor em Ciência Política, Professor de Direito Constitucional da Graduação e Mestrado (PPGDC) da Universidade Federal Fluminense (UFF). Procurador do Ministério Público do Trabalho no Rio de Janeiro.

Federico Martelloni

Professor Associado em Direito do Trabalho na Universidade de Bolonha, membro da Coalizão Cívica e conselheiro comunal da cidade de Bolonha.

Gianni Arrigo

Advogado e Professor de Direito do Trabalho da Faculdade de Economia na Universidade de Bari, Itália.

Joaquín Pérez Rey

Doutor em Direito pela Universidade de Castilla-La Mancha, Espanha, onde, no momento, é Professor de Direito do Trabalho e Segurança Social na Faculdade de Direito e Ciências Sociais de Toledo e Diretor do Departamento do Trabalho e Direito Social. Autor de inúmeros livros, coordenador de Castilla-La Mancha da Associação Espanhola da Saúde e Segurança Social (AESSS) e faz parte do grupo de peritos, proposto pelo Ministério do Emprego e Segurança Social, em que se discutem as implicações do Tribunal de Justiça da UE no sistema espanhol de contratação de mão de obra.

Laura Mora Cabello de Alba

Professora de Direito do Trabalho e Previdência Social na Faculdade de Ciências Jurídicas e Sociais de Toledo da Universidade de Castilla-La Mancha. Escreve sobre a exploração infantil, a reconciliação entre a vida familiar e profissional, o perigo para a saúde das mulheres de entrar em um mundo de trabalho masculino decadente, a política de imigração da União Europeia, o ensino do direito do trabalho e o processo de criação cultural de juristas. Autora e coordenadora de diversas obras, dentre elas Trabajar en femenino, trabajar en masculino, Ecología del trabajo: El trabajo que sostiene la vida e El futuro del trabajo que queremos, todos pela Editora Bomarzo.

María Carola Íñiguez Zambrano

Coordenadora de Ações e Projetos da ONU Mulheres com o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) na Fronteira Norte do Equador e Representação de mulheres da ONU e advocacia política ligada a questões de direitos humanos e gênero. Foi Subsecretária de Assuntos Multilaterais e Diretora do Sistema Interamericano, do Ministério das Relações Exteriores do Equador.

Cyril Wolmark

Diretor do Mestrado em Direito Social e Co-Diretor do Instituto de Pesquisa Jurídica em Relações Empresariais e Profissionais (IRERP) da Universidade Paris Nanterre.

Júlia Lenzi

Doutoranda (2017) em Direito do Trabalho e da Seguridade Social pela Universidade de São Paulo (FD/USP), sob orientação do Prof. Marcus Orione. Graduada (2010) e Mestre (2013) em Direito pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP. Membro do DHCTEM (Direitos Humanos, Centralidade do Trabalho e Marxismo), grupo de estudos da Faculdade de Direito da USP. Professora universitária com experiência nas disciplinas Direitos Humanos, Direitos Fundamentais, Direito Previdenciário e Direito da Seguridade Social. Consultora de Direto Previdenciário de LBS Advogados, integrante da Rede Lado.

Christian Dunker

Psicanalista, ligado à tradição lacaniana. Formado pela Universidade de São Paulo, onde obteve seus títulos de graduação, mestrado e doutorado. Possui também Pós-Doutorado pela Manchester Metropolitan University. Atualmente, é Professor Livre-Docente do Instituto de Psicologia da USP, no Departamento de Psicologia Clínica. Coordena, em conjunto com Vladimir Safatle e Nelson da Silva Jr., o Laboratório de Estudos em teoria social, filosofia e psicanálise. É autor, entre outros, de Mal-estar, sofrimento e sintoma: uma psicopatologia do Brasil entre muros, vencedor do prêmio Jabuti. É colunista mensal do Blog da Boitempo.

Adilson Moreira

Doutor em Direito Constitucional Comparado pela Faculdade de Direito da Universidade de Harvard (2013), Doutor em Direito Constitucional pela Faculdade de Direito da UFMG com estágio doutoral sanduíche na Faculdade de Direito da Universidade de Yale (2007) (Bolsista CAPES/CNPq), Master of Laws pela Faculdade de Direito da Universidade de Harvard (2005) e Mestre em Direito Constitucional pela UFMG (2001) (Bolsista CAPES). Bacharel em Direito pela Faculdade de Direito da UFMG (1999) (Bolsista CNPq). Esteve envolvido com pesquisas sobre direitos fundamentais, sociologia do direito e direitos de minorias desde a graduação. O interesse por esses temas se manteve durante os cursos de pós-graduação e também o motivou a procurar formação acadêmica nos Estados Unidos. Desenvolve uma série de projetos que envolvem Direito Constitucional, Direito Constitucional Comparado, Teorias de Discriminação, Sociologia do Direito, História do Direito, Direito de Família e Direito de Minorias. Lecionou as seguintes disciplinas em universidades brasileiras: Direito Constitucional, Processo Constitucional, Teoria da Constituição, Teoria do Estado, Direitos Humanos, Metodologia Científica e Psicologia Jurídica.

Edição Déborah Lima

Título: IV Seminário Internacional do Instituto Lavoro discute totalitarismo neoliberal, Conteúdo: O Instituto Lavoro realiza nos dias 21 e 22 de novembro, em São Paulo, o IV Seminário Internacional da associação. Com o tema Mais vale o que será: o futuro do trabalho e o trabalho do futuro, o evento ocorrerá no hotel Meliá Paulista, com a participação de representantes de seis países: Itália, França, Espanha, Estados Unidos, Equador e Brasil. O eixo de reflexão proposto é a necessária tomada de consciência sobre a era de totalitarismo neoliberal em que vivemos para construir uma reação coletiva. Entre as inquietudes que permearão os painéis de discussão estão: O que foi feito do Estado e dos direitos sociais? Qual é a sociabilidade (solidariedade) possível no contexto atual? Como demonstrar que os problemas são estruturais e as soluções, coletivas? Qual o ponto-crítico da contradição social que causará uma reação? A base teórica do Seminário reside nas aulas ministradas pela filósofa Marilena Chauí e as pesquisas da cientista social Esther Solano, que participaram de Ciclo de Aulas promovido no primeiro semestre, em São Paulo, pelo Instituto Lavoro em parceria com a Casa do Saber. O tema musical de inspiração é a canção O que foi feito deverá, de Fernando Brant, Milton Nascimento e Marcio Borges: Se muito vale o já feito, Mas vale o que será Mas vale o que será E o que foi feito é preciso Conhecer para melhor prosseguir Confira o programa do Seminário: 21/11 – Quinta-feira 8:00 - Credenciamento 9:00 - Abertura 9:30 - Mesa 1 – Itália Gianni Arrigo Federico Martelloni 12:00 - Almoço 14:00 - Mesa 2 – França Cyril Wolmark Tatiana Sachs 16:00 às 16:30 - Intervalo 16:30 - Mesa 3 – Brasil  Júlia Lenzi Christian Dunker Adilson Moreira 18:30 - Encerramento do 1º dia 22/11 – Sexta-feira 8:30 - Mesa 4 – Estados Unidos Cássio Casagrande Ginny Coughlin 10:30 às 11:00 - Intervalo   11:00 - Mesa 5 – Equador – Organismos multilaterais Adoración Guamán       María Carola Íñiguez Zambrano 13:00 - Almoço 15:00 - Mesa 6 – Espanha Joaquín Perez Rey Laura Mora Cabello de Alba 17:30 às 18:00 - Encerramento do Seminário *Programa sujeito à alteração. Veja os palestrantes confirmados:  Adoración Guamán Hernández Professora Titular de Direito do Trabalho e da Seguridade Social da Universidade deValência, Espanha. Doutora pelas Universidades de Paris X-Nanterre evalência. Professora convidada da Universidade Paris X. Pesquisadora do Programa de Excelência Prometeo e consultora em direitos humanos e trabalho. Assessora no Ministério das Relações Exteriores e Mobilidade Humana do Equador. Cássio Casagrande Doutor em Ciência Política, Professor de Direito Constitucional da Graduação e Mestrado (PPGDC) da Universidade Federal Fluminense (UFF). Procurador do Ministério Público do Trabalho no Rio de Janeiro. Federico Martelloni Professor Associado em Direito do Trabalho na Universidade de Bolonha, membro da Coalizão Cívica e conselheiro comunal da cidade de Bolonha. Gianni Arrigo Advogado e Professor de Direito do Trabalho da Faculdade de Economia na Universidade de Bari, Itália. Joaquín Pérez Rey Doutor em Direito pela Universidade de Castilla-La Mancha, Espanha, onde, no momento, é Professor de Direito do Trabalho e Segurança Social na Faculdade de Direito e Ciências Sociais de Toledo e Diretor do Departamento do Trabalho e Direito Social. Autor de inúmeros livros, coordenador de Castilla-La Mancha da Associação Espanhola da Saúde e Segurança Social (AESSS) e faz parte do grupo de peritos, proposto pelo Ministério do Emprego e Segurança Social, em que se discutem as implicações do Tribunal de Justiça da UE no sistema espanhol de contratação de mão de obra. Laura Mora Cabello de Alba Professora de Direito do Trabalho e Previdência Social na Faculdade de Ciências Jurídicas e Sociais de Toledo da Universidade de Castilla-La Mancha. Escreve sobre a exploração infantil, a reconciliação entre a vida familiar e profissional, o perigo para a saúde das mulheres de entrar em um mundo de trabalho masculino decadente, a política de imigração da União Europeia, o ensino do direito do trabalho e o processo de criação cultural de juristas. Autora e coordenadora de diversas obras, dentre elas Trabajar en femenino, trabajar en masculino, Ecología del trabajo: El trabajo que sostiene la vida e El futuro del trabajo que queremos, todos pela Editora Bomarzo. María Carola Íñiguez Zambrano Coordenadora de Ações e Projetos da ONU Mulheres com o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) na Fronteira Norte do Equador e Representação de mulheres da ONU e advocacia política ligada a questões de direitos humanos e gênero. Foi Subsecretária de Assuntos Multilaterais e Diretora do Sistema Interamericano, do Ministério das Relações Exteriores do Equador. Cyril Wolmark Diretor do Mestrado em Direito Social e Co-Diretor do Instituto de Pesquisa Jurídica em Relações Empresariais e Profissionais (IRERP) da Universidade Paris Nanterre. Júlia Lenzi Doutoranda (2017) em Direito do Trabalho e da Seguridade Social pela Universidade de São Paulo (FD/USP), sob orientação do Prof. Marcus Orione. Graduada (2010) e Mestre (2013) em Direito pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP. Membro do DHCTEM (Direitos Humanos, Centralidade do Trabalho e Marxismo), grupo de estudos da Faculdade de Direito da USP. Professora universitária com experiência nas disciplinas Direitos Humanos, Direitos Fundamentais, Direito Previdenciário e Direito da Seguridade Social. Consultora de Direto Previdenciário de LBS Advogados, integrante da Rede Lado. Christian Dunker Psicanalista, ligado à tradição lacaniana. Formado pela Universidade de São Paulo, onde obteve seus títulos de graduação, mestrado e doutorado. Possui também Pós-Doutorado pela Manchester Metropolitan University. Atualmente, é Professor Livre-Docente do Instituto de Psicologia da USP, no Departamento de Psicologia Clínica. Coordena, em conjunto com Vladimir Safatle e Nelson da Silva Jr., o Laboratório de Estudos em teoria social, filosofia e psicanálise. É autor, entre outros, de Mal-estar, sofrimento e sintoma: uma psicopatologia do Brasil entre muros, vencedor do prêmio Jabuti. É colunista mensal do Blog da Boitempo. Adilson Moreira Doutor em Direito Constitucional Comparado pela Faculdade de Direito da Universidade de Harvard (2013), Doutor em Direito Constitucional pela Faculdade de Direito da UFMG com estágio doutoral sanduíche na Faculdade de Direito da Universidade de Yale (2007) (Bolsista CAPES/CNPq), Master of Laws pela Faculdade de Direito da Universidade de Harvard (2005) e Mestre em Direito Constitucional pela UFMG (2001) (Bolsista CAPES). Bacharel em Direito pela Faculdade de Direito da UFMG (1999) (Bolsista CNPq). Esteve envolvido com pesquisas sobre direitos fundamentais, sociologia do direito e direitos de minorias desde a graduação. O interesse por esses temas se manteve durante os cursos de pós-graduação e também o motivou a procurar formação acadêmica nos Estados Unidos. Desenvolve uma série de projetos que envolvem Direito Constitucional, Direito Constitucional Comparado, Teorias de Discriminação, Sociologia do Direito, História do Direito, Direito de Família e Direito de Minorias. Lecionou as seguintes disciplinas em universidades brasileiras: Direito Constitucional, Processo Constitucional, Teoria da Constituição, Teoria do Estado, Direitos Humanos, Metodologia Científica e Psicologia Jurídica. Edição Déborah Lima



Informativo CONFETAM

Cadastre-se e receba periodicamente
nossos boletins informativos.