Webmail CUT

Acesse seu Webmail CUT


Login CUT

Acesse a CUT

Esqueceu a senha?

Ibope: Fernando Haddad sobe, Jair Bolsonaro cai

Pesquisa mostra que rejeição ao candidato petista Fernando Haddad diminuiu. Do outro lado, Jair Bolsonaro, do PSL, vê seu índice de rejeição subir mais a cada dia que passa.

Escrito por: Redação CUT • Publicado em: 24/10/2018 - 15:18 • Última modificação: 24/10/2018 - 15:23 Escrito por: Redação CUT Publicado em: 24/10/2018 - 15:18 Última modificação: 24/10/2018 - 15:23

RICARDO STUCKERT .

A quatro dias do segundo turno da eleição, pesquisa Ibope divulgada nesta terça-feira (23) mostra que a diferença entre os candidatos a Presidente da República Fernando Haddad (PT) e Jair Bolsonaro (PSL) diminuiu em relação à pesquisa anterior. Já a rejeição ao candidato de extrema direita aumentou cinco pontos percentuais e a de Haddad caiu seis.

De acordo com o levantamento do Ibope, se considerados apenas os votos válidos, ou seja, excluindo os nulos, brancos e indecisos, as intenções de voto em Haddad subiram para 43% - na pesquisa divulgada no dia 15 eram 41%.

Já as intenções de votos em Bolsonaro caíram de 59% para 57% entre uma pesquisa e outra.

A diferença entre ambos caiu de 18 pontos percentuais na semana passada para 14 pontos.

Se forem consideradas as respostas de todos os entrevistados pelo Ibope, Bolsonaro registrou queda nas intenções de voto - de 52% para 50%. Já Haddad, se manteve estável com 37%. Brancos, nulos e indecisos somam 13%.

O jogo está virando

Também houve fortes alterações nos índices de rejeição, bem acima da margem de erro da pesquisa. A rejeição a Bolsonaro cresceu 5 pontos percentuais - de 35% para 40%. A de Haddad caiu 6 pontos - de 47% pra 41%.

A pesquisa foi feita depois do escândalo do WhatsApp, que denunciou o suposto pagamento irregular de impulsionamento de mensagens em massa contendo mentiras contra o petista, pagas por empresários ligados a Bolsonaro.

Foi depois também que o candidato do PSL ameaçou opositores de prisão ou exílio em uma transmissão ao vivo, exibida em um telão na Avenida Paulista, em São Paulo, durante manifestação realizada pelos seus apoiadores no domingo (21).

O vídeo viralizou nas redes sociais e provocou reações indignadas de artistas, políticos, juristas, professores e a maioria da sociedade brasileira que respeita a democracia e as liberdades civis.  Depois disso, Marina Silva (Rede) declarou em uma página na rede social que vai votar em Haddad. O ex-governador de São Paulo, Alberto Goldman, membro da executiva nacional do PSDB, gravou um video declarando que vai votar em Haddad. Segundo nota publicada na coluna Painel da Folha, Goldman teria dito que o fato de Bolsonaro insinuar perseguição a opositores “ultrapassou qualquer limite do aceitável”.

O discurso de Bolsonaro no domingo me colocou além do limite do que é suportável. Contraria princípios constitucionais

- Alberto Goldman, ex-governador de SP


  

A pesquisa Ibope, divilgada nesta terça (23), foi feita entre domingo (21) e terça-feira (23) e foi contratada por O Estado de S.Paulo e TV Globo. A margem de erro é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos.

Título: Ibope: Fernando Haddad sobe, Jair Bolsonaro cai, Conteúdo: A quatro dias do segundo turno da eleição, pesquisa Ibope divulgada nesta terça-feira (23) mostra que a diferença entre os candidatos a Presidente da República Fernando Haddad (PT) e Jair Bolsonaro (PSL) diminuiu em relação à pesquisa anterior. Já a rejeição ao candidato de extrema direita aumentou cinco pontos percentuais e a de Haddad caiu seis. De acordo com o levantamento do Ibope, se considerados apenas os votos válidos, ou seja, excluindo os nulos, brancos e indecisos, as intenções de voto em Haddad subiram para 43% - na pesquisa divulgada no dia 15 eram 41%. Já as intenções de votos em Bolsonaro caíram de 59% para 57% entre uma pesquisa e outra. A diferença entre ambos caiu de 18 pontos percentuais na semana passada para 14 pontos. Se forem consideradas as respostas de todos os entrevistados pelo Ibope, Bolsonaro registrou queda nas intenções de voto - de 52% para 50%. Já Haddad, se manteve estável com 37%. Brancos, nulos e indecisos somam 13%. O jogo está virando Também houve fortes alterações nos índices de rejeição, bem acima da margem de erro da pesquisa. A rejeição a Bolsonaro cresceu 5 pontos percentuais - de 35% para 40%. A de Haddad caiu 6 pontos - de 47% pra 41%. A pesquisa foi feita depois do escândalo do WhatsApp, que denunciou o suposto pagamento irregular de impulsionamento de mensagens em massa contendo mentiras contra o petista, pagas por empresários ligados a Bolsonaro. Foi depois também que o candidato do PSL ameaçou opositores de prisão ou exílio em uma transmissão ao vivo, exibida em um telão na Avenida Paulista, em São Paulo, durante manifestação realizada pelos seus apoiadores no domingo (21). O vídeo viralizou nas redes sociais e provocou reações indignadas de artistas, políticos, juristas, professores e a maioria da sociedade brasileira que respeita a democracia e as liberdades civis.  Depois disso, Marina Silva (Rede) declarou em uma página na rede social que vai votar em Haddad. O ex-governador de São Paulo, Alberto Goldman, membro da executiva nacional do PSDB, gravou um video declarando que vai votar em Haddad. Segundo nota publicada na coluna Painel da Folha, Goldman teria dito que o fato de Bolsonaro insinuar perseguição a opositores “ultrapassou qualquer limite do aceitável”. O discurso de Bolsonaro no domingo me colocou além do limite do que é suportável. Contraria princípios constitucionais - Alberto Goldman, ex-governador de SP    A pesquisa Ibope, divilgada nesta terça (23), foi feita entre domingo (21) e terça-feira (23) e foi contratada por O Estado de S.Paulo e TV Globo. A margem de erro é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos.



Informativo CONFETAM

Cadastre-se e receba periodicamente
nossos boletins informativos.