Webmail CUT

Acesse seu Webmail CUT


Login CUT

Acesse a CUT

Esqueceu a senha?

Formação da FEMERGS nas regionais Missões e Planalto Médio

Formação da FEMERGS nas regionais Missões e Planalto Médio

Escrito por: • Publicado em: 07/04/2014 - 00:00 Escrito por: Publicado em: 07/04/2014 - 00:00

No dia 29 de março, as regionais Missões e Planalto Médio, coordenadas por Rosani Stocker e Adriana Noronha, realizaram encontro para elaborar o Programa de Formação Regional 2014. Ao todo, 14 sindicatos estiveram representados. O secretário de Formação da FEMERGS, Gerson Pereira, destacou a participação de várias lideranças da base, que ainda não são dirigentes sindicais. “Quando lideranças de base participam da vida sindical espontaneamente é sinal de que coisas boas estão acontecendo nos sindicatos”, afirmou.
Os secretários da FEMERGS, de Imprensa e Comunicação, Danúbio Júnior, e de Organização e Política Sindical, Alci Klein, também acompanharam a formação.
Na abertura do encontro, todos elogiaram a iniciativa da FEMERGS, de promover uma formação direcionada às bases dos sindicatos e que contemple as realidades de cada localidade. No debate sobre os objetivos do Plano de Formação, foi consensuado que a formação deve: proporcionar a integração e o fortalecimento dos sindicatos; ampliar o nível de informações para qualificar a representação dos dirigentes e lideranças; debater profundamente estratégias de trabalho de base e de envolvimento dos trabalhadores com as atividades e lutas dos sindicatos. Para um dos presentes, “o maior desafio dos sindicatos de municipários é envolver os sócios com o dia a dia da entidade. Para isso acontecer temos que ser criativos.”
Os temas a serem tratados nos três encontro previstos serão os seguintes:
a) Trabalho de base: como aproximar o sindicato dos locais de trabalho? Quais metodologias podemos criar para ambientar os novos contratados com a vida do sindicato? Como implementar novas práticas e mudanças estatutárias para aumentar a representatividade das diretorias? Qual o papel do sindicato e do dirigente sindical? Quais os limites e potencialidades da nossa estrutura sindical?
b) Negociação coletiva. Como unificar as campanhas? Quais os passos e etapas de uma negociação coletiva?
c) Saúde do trabalhador: legislação especifica para o servidor, saúde mental, qualificação profissional e ambiente de trabalho.
d) Plano de carreira.
O calendário também foi definido: no dia 26 de abril, o curso ocorrerá na cidade de Ijuí; no dia 24 de maio, em Santo Ângelo, e o encerramento será em Ijuí, no dia 28 de junho.
Na parte da tarde ocorreu um debate entusiasmado sobre a realidade do sindicalismo brasileiro, onde se destacou que os sindicatos precisam acompanhar as mudanças que estão ocorrendo na sociedade brasileira e na classe trabalhadora. Dois outros temas foram debatidos: o golpe militar de 1964 e o Plebiscito. Foi solicitado que os sindicatos de municipários organizem debates sobre esses dois temas. Nesse ano, completamos 50 anos do golpe militar e é uma oportunidade para removermos os seus resquícios, fazendo uma verdadeira reforma política.
O encontro encerrou com uma rodada de avaliação. Nas palavras de Nilson Chaves, do Sindicato de São Luís Gonzaga, “a proposta do curso superou as expectativas”. Adriana Noronha, do Sindicato de Professores de Ijuí, “destacou que foi um momento importante de troca de experiências e que se iniciou um movimento que apresenta novas perspectiva de atuação dos sindicatos de municipários”. Para José Luciano Agostini, do Sindicato dos Municipários de Ijuí, recentemente filiado à FEMERGS, o “encontro foi vital para continuidade do movimento sindical”.
Fonte: FEMERGS

Título: Formação da FEMERGS nas regionais Missões e Planalto Médio, Conteúdo: No dia 29 de março, as regionais Missões e Planalto Médio, coordenadas por Rosani Stocker e Adriana Noronha, realizaram encontro para elaborar o Programa de Formação Regional 2014. Ao todo, 14 sindicatos estiveram representados. O secretário de Formação da FEMERGS, Gerson Pereira, destacou a participação de várias lideranças da base, que ainda não são dirigentes sindicais. “Quando lideranças de base participam da vida sindical espontaneamente é sinal de que coisas boas estão acontecendo nos sindicatos”, afirmou. Os secretários da FEMERGS, de Imprensa e Comunicação, Danúbio Júnior, e de Organização e Política Sindical, Alci Klein, também acompanharam a formação. Na abertura do encontro, todos elogiaram a iniciativa da FEMERGS, de promover uma formação direcionada às bases dos sindicatos e que contemple as realidades de cada localidade. No debate sobre os objetivos do Plano de Formação, foi consensuado que a formação deve: proporcionar a integração e o fortalecimento dos sindicatos; ampliar o nível de informações para qualificar a representação dos dirigentes e lideranças; debater profundamente estratégias de trabalho de base e de envolvimento dos trabalhadores com as atividades e lutas dos sindicatos. Para um dos presentes, “o maior desafio dos sindicatos de municipários é envolver os sócios com o dia a dia da entidade. Para isso acontecer temos que ser criativos.” Os temas a serem tratados nos três encontro previstos serão os seguintes: a) Trabalho de base: como aproximar o sindicato dos locais de trabalho? Quais metodologias podemos criar para ambientar os novos contratados com a vida do sindicato? Como implementar novas práticas e mudanças estatutárias para aumentar a representatividade das diretorias? Qual o papel do sindicato e do dirigente sindical? Quais os limites e potencialidades da nossa estrutura sindical? b) Negociação coletiva. Como unificar as campanhas? Quais os passos e etapas de uma negociação coletiva? c) Saúde do trabalhador: legislação especifica para o servidor, saúde mental, qualificação profissional e ambiente de trabalho. d) Plano de carreira. O calendário também foi definido: no dia 26 de abril, o curso ocorrerá na cidade de Ijuí; no dia 24 de maio, em Santo Ângelo, e o encerramento será em Ijuí, no dia 28 de junho. Na parte da tarde ocorreu um debate entusiasmado sobre a realidade do sindicalismo brasileiro, onde se destacou que os sindicatos precisam acompanhar as mudanças que estão ocorrendo na sociedade brasileira e na classe trabalhadora. Dois outros temas foram debatidos: o golpe militar de 1964 e o Plebiscito. Foi solicitado que os sindicatos de municipários organizem debates sobre esses dois temas. Nesse ano, completamos 50 anos do golpe militar e é uma oportunidade para removermos os seus resquícios, fazendo uma verdadeira reforma política. O encontro encerrou com uma rodada de avaliação. Nas palavras de Nilson Chaves, do Sindicato de São Luís Gonzaga, “a proposta do curso superou as expectativas”. Adriana Noronha, do Sindicato de Professores de Ijuí, “destacou que foi um momento importante de troca de experiências e que se iniciou um movimento que apresenta novas perspectiva de atuação dos sindicatos de municipários”. Para José Luciano Agostini, do Sindicato dos Municipários de Ijuí, recentemente filiado à FEMERGS, o “encontro foi vital para continuidade do movimento sindical”. Fonte: FEMERGS



Informativo CONFETAM

Cadastre-se e receba periodicamente
nossos boletins informativos.