Webmail CUT

Acesse seu Webmail CUT


Login CUT

Acesse a CUT

Esqueceu a senha?

Estudantes irão às ruas no dia 7 de preto e caras pintadas de verde e amarelo

A ideia é manifestar luto em relação às políticas de Bolsonaro sem abandonar as cores da bandeira nacional.

Escrito por: Redação Brasil de Fato • Publicado em: 05/09/2019 - 17:58 • Última modificação: 05/09/2019 - 18:20 Escrito por: Redação Brasil de Fato Publicado em: 05/09/2019 - 17:58 Última modificação: 05/09/2019 - 18:20

. Estudantes de Santo Antonio do Salto da Onça vestiram luto pela educação nesta quinta (5)

De luto contra a destruição da educação pública pelo desgoverno Bolsonaro, os estudantes da rede municipal de Santo Antonio do Salto da Onça (RN) partiram na frente e vestiram preto, nesta quinta-feira (05), durante desfile alusivo à independência do Brasil do Império Português, declarada em 7 de setembro de 1822. Alunos de todo o país estão sendo convocados pela União Nacional dos Estudantes (UNE) a vestirem roupas pretas e pintarem os rostos de verde-amarelo, neste sábado (7), para protestar contra o desmonte do ensino público e em defesa da Amazônia. Segundo a (UNE), a ideia é manifestar “luto” em relação às políticas de Bolsonaro, sem abandonar as cores da bandeira nacional.

“Bolsonaro soltou uma declaração convocando os brasileiros e brasileiras a irem às ruas no dia 7 de camisa verde amarela. Nós já estávamos convocando o ato do dia 7 como mais um dia em defesa da educação e em defesa da Amazônia, contra as queimadas, que vai se somar ao Grito dos Excluídos. Com essa declaração do Bolsonaro, a gente revive um pouco do que aconteceu na época em que o [ex-presidente Fernando] Collor fez a mesma convocação, e os estudantes foram às ruas de caras pintadas”, explica Julia Aguiar, diretora de políticas educacionais da UNE no Rio de Janeiro.

A estudante se refere às manifestações de rua de 1992 que precederam o impeachment do então presidente da República.

“A ideia de ir de camisa preta é pelo luto em relação à forma como o governo tem tratado a população brasileira, mas resgatando os símbolos nacionais com as nossas caras pintadas de verde e amarelo. Para nós, é um erro que o símbolo nacional fique nas mãos daqueles que querem entregar a Amazônia e a educação”, completa Aguiar.

Esta é a quarta manifestação nacional contra as políticas do presidente Jair Bolsonaro (PSL) e seu ministro da Educação, Abrahan Weintraub, para o setor. As anteriores, em 15 de maio, 30 de maio e 13 de agosto, levaram milhões de pessoas às ruas de todo o país.

Estão confirmados atos em pelo menos 19 estados. Confira a lista completa:

Rio Grande do Sul: Porto Alegre, às 15h, no Parque Farroupilha, Redenção.

Santa Catarina: Florianópolis, 8h30, na Catedral.

Paraná: Curitiba, às 11h, na praça Santos Andrade.

São Paulo: São Paulo, às 10h, na praça Oswaldo Cruz. Em Campinas, às 14h, no Largo do Rosário.

Minas Gerais: Belo Horizonte, às 9h, no viaduto Santa Tereza. Em Uberlândia, às 8h30, no Terminal Central.

Rio de Janeiro: Rio de Janeiro, horário a definir, na Candelária.

Espírito Santo: Vitória, às 8h, na Praça de Porto de Santana.

Goiás: Goiânia, às 8h30, na Catedral de Goiânia.

Brasília: Plano Piloto, às 15h, na praça dos Três Poderes.

Mato Grosso: Cuiabá, às 15h, na praça Cultural do CPA II.

Amazonas: Manaus, às 15h, na praça da Saudade.

Pará: Belém, às 8h, no Terminal Rodoviário São Brás. Em Santarém, às 8h, na Praça São Sebastião.

Bahia: Salvador, às 8h, praça Campo Grande.

Pernambuco: Recife, às 8h, na praça do Derby.

Ceará: Fortaleza, às 8h, na avenida Dioguinho; e às 15h, na praia de Iracema.

Rio Grande do Norte: Natal, às 8h, na praça Heróis dos Pescadores

Maranhão: São Luís, às 10h, na Areinha

Paraíba: João Pessoa, às 14h, na igreja de Nossa Senhora das Neves. Em Campina Grande, às 8h30, na Catedral.

Alagoas: Maceió, às 9h, na praça Sinimbu.

Edição: Daniel Giovanaz e Déborah Lima

Título: Estudantes irão às ruas no dia 7 de preto e caras pintadas de verde e amarelo, Conteúdo: De luto contra a destruição da educação pública pelo desgoverno Bolsonaro, os estudantes da rede municipal de Santo Antonio do Salto da Onça (RN) partiram na frente e vestiram preto, nesta quinta-feira (05), durante desfile alusivo à independência do Brasil do Império Português, declarada em 7 de setembro de 1822. Alunos de todo o país estão sendo convocados pela União Nacional dos Estudantes (UNE) a vestirem roupas pretas e pintarem os rostos de verde-amarelo, neste sábado (7), para protestar contra o desmonte do ensino público e em defesa da Amazônia. Segundo a (UNE), a ideia é manifestar “luto” em relação às políticas de Bolsonaro, sem abandonar as cores da bandeira nacional. “Bolsonaro soltou uma declaração convocando os brasileiros e brasileiras a irem às ruas no dia 7 de camisa verde amarela. Nós já estávamos convocando o ato do dia 7 como mais um dia em defesa da educação e em defesa da Amazônia, contra as queimadas, que vai se somar ao Grito dos Excluídos. Com essa declaração do Bolsonaro, a gente revive um pouco do que aconteceu na época em que o [ex-presidente Fernando] Collor fez a mesma convocação, e os estudantes foram às ruas de caras pintadas”, explica Julia Aguiar, diretora de políticas educacionais da UNE no Rio de Janeiro. A estudante se refere às manifestações de rua de 1992 que precederam o impeachment do então presidente da República. “A ideia de ir de camisa preta é pelo luto em relação à forma como o governo tem tratado a população brasileira, mas resgatando os símbolos nacionais com as nossas caras pintadas de verde e amarelo. Para nós, é um erro que o símbolo nacional fique nas mãos daqueles que querem entregar a Amazônia e a educação”, completa Aguiar. Esta é a quarta manifestação nacional contra as políticas do presidente Jair Bolsonaro (PSL) e seu ministro da Educação, Abrahan Weintraub, para o setor. As anteriores, em 15 de maio, 30 de maio e 13 de agosto, levaram milhões de pessoas às ruas de todo o país. Estão confirmados atos em pelo menos 19 estados. Confira a lista completa: Rio Grande do Sul: Porto Alegre, às 15h, no Parque Farroupilha, Redenção. Santa Catarina: Florianópolis, 8h30, na Catedral. Paraná: Curitiba, às 11h, na praça Santos Andrade. São Paulo: São Paulo, às 10h, na praça Oswaldo Cruz. Em Campinas, às 14h, no Largo do Rosário. Minas Gerais: Belo Horizonte, às 9h, no viaduto Santa Tereza. Em Uberlândia, às 8h30, no Terminal Central. Rio de Janeiro: Rio de Janeiro, horário a definir, na Candelária. Espírito Santo: Vitória, às 8h, na Praça de Porto de Santana. Goiás: Goiânia, às 8h30, na Catedral de Goiânia. Brasília: Plano Piloto, às 15h, na praça dos Três Poderes. Mato Grosso: Cuiabá, às 15h, na praça Cultural do CPA II. Amazonas: Manaus, às 15h, na praça da Saudade. Pará: Belém, às 8h, no Terminal Rodoviário São Brás. Em Santarém, às 8h, na Praça São Sebastião. Bahia: Salvador, às 8h, praça Campo Grande. Pernambuco: Recife, às 8h, na praça do Derby. Ceará: Fortaleza, às 8h, na avenida Dioguinho; e às 15h, na praia de Iracema. Rio Grande do Norte: Natal, às 8h, na praça Heróis dos Pescadores Maranhão: São Luís, às 10h, na Areinha Paraíba: João Pessoa, às 14h, na igreja de Nossa Senhora das Neves. Em Campina Grande, às 8h30, na Catedral. Alagoas: Maceió, às 9h, na praça Sinimbu. Edição: Daniel Giovanaz e Déborah Lima



Informativo CONFETAM

Cadastre-se e receba periodicamente
nossos boletins informativos.