Webmail CUT

Acesse seu Webmail CUT


Login CUT

Acesse a CUT

Esqueceu a senha?

Eduardo Cunha é cassado por 450 votos a 10

Com nove abstenções, o mandato do ex-presidente da Câmara dos Deputados foi cassado pelo Plenário da Casa depois de uma grande manifestação das principais centrais sindicais do Brasil

Escrito por: Confetam • Publicado em: 13/09/2016 - 02:52 • Última modificação: 15/09/2016 - 15:04 Escrito por: Confetam Publicado em: 13/09/2016 - 02:52 Última modificação: 15/09/2016 - 15:04

Lidyane Ponciano/CUT Nacional Servidores públicos municipais de nove estados participaram do ato

As atividades da Jornada de Luta dos Servidores Públicos iniciaram na manhã desta segunda-feira (12). Logo cedo, no desembarque do aeroporto de Brasília, trabalhadores da Federação Única dos Petroleiros (FUP) prepararam uma "recepção" aos parlamentares que votaram a favor do impeachment da presidente Dilma Rousseff. Ao desembarcarem, os servidores municipais se incorporaram ao ato da FUP, engrossando o "esquenta" da Jornada dos Servidores.

A programação continuou de tarde, na Câmara dos Deputados, com a audiência pública extraordinária sobre a PEC 241, que institui o novo regime fiscal, congela o orçamento público por 20 anos e limita os gastos ao índice da inflação do ano anterior. Uma comissão de municipais dos estados do Ceará, São Paulo, Paraná e Piaui acompanharam a audiência.

De lá, os municipais seguiram em caminhada até o Acampamento dos Servidores Públicos, na Esplanada dos Ministérios, onde foi montada uma barraca da Confederação dos Trabalhadores no Serviço Público Municipal (Confetam/CUT). No fim da tarde, os trabalhadores seguiram para o Museu Nacional e permaneceram em concentração até às 19h30, quando iniciou o Ato Fora Temer em Defesa da Democracia e Nenhum Direito a Menos.

Do Museu Nacional, eles seguiram numa grande passeata, com as presenças das principais centrais sindicais do Brasil, até o Congresso Nacional para pressionar os deputados federais a votarem a favor da cassação do ex-presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, acusado de quebra de decoro parlamentar por mentir na CPI da Petrobrás ao afirmar que não era titular de contas no exterior. 

"O mínimo que se espera dos parlamentares desse Congresso é que cassem o mandato de Eduardo Cunha", afirmou a presidente da Confetam/CUT, Vilani Oliveira, sentada no gramado do Congresso. No local, um grande número de manifestantes aguardava o resultado do julgamento de Eduardo Cunha, que acabou cassado por 450 votos a 10, com 9 abstenções. "A saída do Cunha é o pontapé inicial para o ‘Fora Temer’”, afirmou o presidente da CUT Nacional, Vagner Freitas. 

Representações de servidores municipais de nove estados do país - Bahia, São Paulo, Santa Catarina, Paraná, Piauí, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Goiás e Ceará -, estão em Brasília para participar da Jornada de Luta dos Servidores Públicos, que continua hoje com a audiência pública no Senado sobre o PLC 30, que regulamenta a terceirização da atividade meio, marcada para às 9 horas, e a Marcha Unificada dos Servidores Públicos, agendada para às 10 horas, na Esplanada dos Ministérios.

Título: Eduardo Cunha é cassado por 450 votos a 10, Conteúdo: As atividades da Jornada de Luta dos Servidores Públicos iniciaram na manhã desta segunda-feira (12). Logo cedo, no desembarque do aeroporto de Brasília, trabalhadores da Federação Única dos Petroleiros (FUP) prepararam uma recepção aos parlamentares que votaram a favor do impeachment da presidente Dilma Rousseff. Ao desembarcarem, os servidores municipais se incorporaram ao ato da FUP, engrossando o esquenta da Jornada dos Servidores. A programação continuou de tarde, na Câmara dos Deputados, com a audiência pública extraordinária sobre a PEC 241, que institui o novo regime fiscal, congela o orçamento público por 20 anos e limita os gastos ao índice da inflação do ano anterior. Uma comissão de municipais dos estados do Ceará, São Paulo, Paraná e Piaui acompanharam a audiência. De lá, os municipais seguiram em caminhada até o Acampamento dos Servidores Públicos, na Esplanada dos Ministérios, onde foi montada uma barraca da Confederação dos Trabalhadores no Serviço Público Municipal (Confetam/CUT). No fim da tarde, os trabalhadores seguiram para o Museu Nacional e permaneceram em concentração até às 19h30, quando iniciou o Ato Fora Temer em Defesa da Democracia e Nenhum Direito a Menos. Do Museu Nacional, eles seguiram numa grande passeata, com as presenças das principais centrais sindicais do Brasil, até o Congresso Nacional para pressionar os deputados federais a votarem a favor da cassação do ex-presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, acusado de quebra de decoro parlamentar por mentir na CPI da Petrobrás ao afirmar que não era titular de contas no exterior.  O mínimo que se espera dos parlamentares desse Congresso é que cassem o mandato de Eduardo Cunha, afirmou a presidente da Confetam/CUT, Vilani Oliveira, sentada no gramado do Congresso. No local, um grande número de manifestantes aguardava o resultado do julgamento de Eduardo Cunha, que acabou cassado por 450 votos a 10, com 9 abstenções. A saída do Cunha é o pontapé inicial para o ‘Fora Temer’”, afirmou o presidente da CUT Nacional, Vagner Freitas.  Representações de servidores municipais de nove estados do país - Bahia, São Paulo, Santa Catarina, Paraná, Piauí, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Goiás e Ceará -, estão em Brasília para participar da Jornada de Luta dos Servidores Públicos, que continua hoje com a audiência pública no Senado sobre o PLC 30, que regulamenta a terceirização da atividade meio, marcada para às 9 horas, e a Marcha Unificada dos Servidores Públicos, agendada para às 10 horas, na Esplanada dos Ministérios.



Informativo CONFETAM

Cadastre-se e receba periodicamente
nossos boletins informativos.