Webmail CUT

Acesse seu Webmail CUT


Login CUT

Acesse a CUT

Esqueceu a senha?

Confetam/CUT convoca servidores municipais às ruas nesta quarta (20) 

No Dia Nacional de Luta em Defesa da Previdência Pública e contra o Fim da Aposentadoria, os trabalhadores do Ramo dos Municipais protestarão em todo o Brasil contra a reforma de Bolsonaro.

Escrito por: Déborah Lima • Publicado em: 19/02/2019 - 16:56 • Última modificação: 19/02/2019 - 17:25 Escrito por: Déborah Lima Publicado em: 19/02/2019 - 16:56 Última modificação: 19/02/2019 - 17:25

. 20 de fevereiro é Dia Nacional de Luta em Defesa da Previdência e da Aposentadoria

A Confederação dos Trabalhadores no Serviço Público Municipal (Confetam/CUT) convoca as 17 federações estaduais e os 842 sindicatos a elas filiados, que juntos organizam mais de 1,4 milhão de trabalhadores do Ramo dos Municipais no Brasil, a irem às ruas, nesta quarta-feira (20), Dia Nacional de Luta em Defesa da Previdência Pública e contra o Fim da Aposentadoria.

Para quem está na capital do estado de São Paulo, a Confetam/CUT orienta a participar da Assembleia Nacional da Classe Trabalhadora, a partir das 10 horas, na Praça da Sé. Aos demais, orientamos a participação nas manifestações locais e regionais para mandar um aviso ao governo de ultradireita: os servidores públicos municipais brasileiros lutarão pela manutenção do atual sistema de Previdência pública e solidária, e pelo direito à aposentadoria, ameaçados pela reforma previdenciária de Bolsonaro.  

Prioridade da Campanha Salarial 2019

Entre os nove eixos da Campanha Salarial Nacional Unificada 2019 da categoria, a defesa da Previdência Social desponta como prioridade absoluta. Decisão nesse sentido foi tomada, no último dia 11, durante o lançamento nacional da campanha, em São Paulo.

"A tentativa de desmonte da Previdência Social por Bolsonaro sinaliza que foi correta a posição da Confetam de colocar a luta em defesa da aposentadoria no centro das discussões da Campanha Salarial. O momento é de reforçar a luta contra essa reforma abusiva, que exclui a grande maioria dos trabalhadores e, na prática, inviabiliza as aposentadorias", afirma a presidenta da Confetam/CUT, Vilani Oliveira.

"Déficit" para justificar capitalização 

Para a presidenta, é falacioso o suposto déficit alegado pelo governo para justificar a reforma. Vilani se baseia no relatório final da CPI da Previdência no Senado, que concluiu não haver déficit no sistema de Seguridade Social. Ao passo que aponta o superávit da Seguridade, o relatório da CPI estima em R$ 450 bilhões a dívida das empresas privadas brasileiras com a Previdência Social, valor esse que o governo Bolsonaro não cogita cobrar dos devedores.

"Na verdade, há um grande esforço da ultradireita, dos banqueiros e da imprensa tradicional para substituir o atual sistema de repartição da Previdência pública e solidária pelo regime de capitalização individual. Esse sim, pode levar o INSS e a Seguridade Social à falência, e os trabalhadores à miséria", denuncia a dirigente sindical cutista.

Greve Geral da Classe Trabalhadora

A apresentação da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) da Reforma da Previdência está prevista para esta quarta (20), mesmo dia em que a Central Única dos Trabalhadores (CUT) e demais centrais sindicais realizarão a Assembleia Nacional da Praça da Sé. O objetivo é traçar uma estratégia unificada de enfrentamento à reforma da previdência, o que inclui a possibilidade de uma nova Greve Geral da Classe Trabalhadora, a exemplo da paralisação nacional de 28 de abril de 2017, que barrou a reforma previdenciária do ex-presidente golpista Michel Temer. 

"Nesta quarta-feira, vamos às ruas protestar e conversar com as populações dos municípios brasileiros sobre os horrores previstos na reforma de Bolsonaro. Juntos, temos de trazer o povo pra luta em defesa da Previdência Social pública, solidária e universal como direito e princípio de justiça social", convoca a presidenta da Confetam/CUT.

Agende-se:

Assembleia Nacional da Classe Trabalhadora
Quarta-feira, dia 20 de fevereiro, às 10h
Praça da Sé - São Paulo

Dia Nacional de Luta em Defesa da Previdência Pública e contra o Fim da Aposentadoria
Quarta-feira, dia 20 de fevereiro
Atos públicos nos estados

Título: Confetam/CUT convoca servidores municipais às ruas nesta quarta (20) , Conteúdo: A Confederação dos Trabalhadores no Serviço Público Municipal (Confetam/CUT) convoca as 17 federações estaduais e os 842 sindicatos a elas filiados, que juntos organizam mais de 1,4 milhão de trabalhadores do Ramo dos Municipais no Brasil, a irem às ruas, nesta quarta-feira (20), Dia Nacional de Luta em Defesa da Previdência Pública e contra o Fim da Aposentadoria. Para quem está na capital do estado de São Paulo, a Confetam/CUT orienta a participar da Assembleia Nacional da Classe Trabalhadora, a partir das 10 horas, na Praça da Sé. Aos demais, orientamos a participação nas manifestações locais e regionais para mandar um aviso ao governo de ultradireita: os servidores públicos municipais brasileiros lutarão pela manutenção do atual sistema de Previdência pública e solidária, e pelo direito à aposentadoria, ameaçados pela reforma previdenciária de Bolsonaro.   Prioridade da Campanha Salarial 2019 Entre os nove eixos da Campanha Salarial Nacional Unificada 2019 da categoria, a defesa da Previdência Social desponta como prioridade absoluta. Decisão nesse sentido foi tomada, no último dia 11, durante o lançamento nacional da campanha, em São Paulo. A tentativa de desmonte da Previdência Social por Bolsonaro sinaliza que foi correta a posição da Confetam de colocar a luta em defesa da aposentadoria no centro das discussões da Campanha Salarial. O momento é de reforçar a luta contra essa reforma abusiva, que exclui a grande maioria dos trabalhadores e, na prática, inviabiliza as aposentadorias, afirma a presidenta da Confetam/CUT, Vilani Oliveira. Déficit para justificar capitalização  Para a presidenta, é falacioso o suposto déficit alegado pelo governo para justificar a reforma. Vilani se baseia no relatório final da CPI da Previdência no Senado, que concluiu não haver déficit no sistema de Seguridade Social. Ao passo que aponta o superávit da Seguridade, o relatório da CPI estima em R$ 450 bilhões a dívida das empresas privadas brasileiras com a Previdência Social, valor esse que o governo Bolsonaro não cogita cobrar dos devedores. Na verdade, há um grande esforço da ultradireita, dos banqueiros e da imprensa tradicional para substituir o atual sistema de repartição da Previdência pública e solidária pelo regime de capitalização individual. Esse sim, pode levar o INSS e a Seguridade Social à falência, e os trabalhadores à miséria, denuncia a dirigente sindical cutista. Greve Geral da Classe Trabalhadora A apresentação da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) da Reforma da Previdência está prevista para esta quarta (20), mesmo dia em que a Central Única dos Trabalhadores (CUT) e demais centrais sindicais realizarão a Assembleia Nacional da Praça da Sé. O objetivo é traçar uma estratégia unificada de enfrentamento à reforma da previdência, o que inclui a possibilidade de uma nova Greve Geral da Classe Trabalhadora, a exemplo da paralisação nacional de 28 de abril de 2017, que barrou a reforma previdenciária do ex-presidente golpista Michel Temer.  Nesta quarta-feira, vamos às ruas protestar e conversar com as populações dos municípios brasileiros sobre os horrores previstos na reforma de Bolsonaro. Juntos, temos de trazer o povo pra luta em defesa da Previdência Social pública, solidária e universal como direito e princípio de justiça social, convoca a presidenta da Confetam/CUT. Agende-se: Assembleia Nacional da Classe Trabalhadora Quarta-feira, dia 20 de fevereiro, às 10h Praça da Sé - São Paulo Dia Nacional de Luta em Defesa da Previdência Pública e contra o Fim da Aposentadoria Quarta-feira, dia 20 de fevereiro Atos públicos nos estados



Informativo CONFETAM

Cadastre-se e receba periodicamente
nossos boletins informativos.