Webmail CUT

Acesse seu Webmail CUT


Login CUT

Acesse a CUT

Esqueceu a senha?

Comissão mista do Congresso Nacional aprova MP do ensino médio, que vai a Plenário

Contestado por profissionais da educação e pelo movimento estudantil, texto precisa passar por votação nos Plenários da Câmara e do Senado

Escrito por: RBA • Publicado em: 02/12/2016 - 18:34 • Última modificação: 06/12/2016 - 13:26 Escrito por: RBA Publicado em: 02/12/2016 - 18:34 Última modificação: 06/12/2016 - 13:26

Reprodução .

A comissão mista do Congresso que analisa a Medida Provisória (MP) 746, de reforma do ensino médio, aprovou no início da tarde do dia 30 de novembro o relatório do senador Pedro Chaves (PSC-MS). Foram 16 votos a favor e cinco contra. Apresentada em 23 de setembro, a MP tramitou com rapidez inusual na Casa. Agora, o texto precisa passar pelos plenários da Câmara e do Senado.

Foram quase 600 emendas apresentadas e aproximadamente 140 contempladas parcial ou integralmente. Em uma das mudanças, cada ano passa a ter 60% do tempo destinados aos conteúdos comuns e 40% para os chamados itinerários formativos. Artes e Educação Física são mantidas como disciplinas obrigatórias, enquanto Sociologia e Filosofia constam como opcionais. No relatório, se propõe que as escolas aumentem, em um prazo de cinco anos, a jornada anual de 800 para mil horas. A MP fala em expansão progressiva para 1.400 horas.

O relator manteve um dos pontos contestados, que é a contratação de profissionais com "notório saber" para dar aulas. O Plano Nacional de Educação (PNE) determina que os professores do ensino básico tenham graduação na área em que atuam.

A Comissão de Legislação Participativa da Câmara organizou, no dia 1º de dezembro, um debate sobre a MP 746 e o Projeto de Lei (PL) 7.180, de 2014, sobre a chamada Escola sem Partido. "Além de inadequada em sua forma, (a MP 746) tem provocado amplo repúdio por parte de educadores, especialistas, alunos e movimentos que têm como pauta a luta por melhorias na educação no país", afirma o deputado Glauber Braga (Psol-RJ), responsável pela reunião.

Título: Comissão mista do Congresso Nacional aprova MP do ensino médio, que vai a Plenário, Conteúdo: A comissão mista do Congresso que analisa a Medida Provisória (MP) 746, de reforma do ensino médio, aprovou no início da tarde do dia 30 de novembro o relatório do senador Pedro Chaves (PSC-MS). Foram 16 votos a favor e cinco contra. Apresentada em 23 de setembro, a MP tramitou com rapidez inusual na Casa. Agora, o texto precisa passar pelos plenários da Câmara e do Senado. Foram quase 600 emendas apresentadas e aproximadamente 140 contempladas parcial ou integralmente. Em uma das mudanças, cada ano passa a ter 60% do tempo destinados aos conteúdos comuns e 40% para os chamados itinerários formativos. Artes e Educação Física são mantidas como disciplinas obrigatórias, enquanto Sociologia e Filosofia constam como opcionais. No relatório, se propõe que as escolas aumentem, em um prazo de cinco anos, a jornada anual de 800 para mil horas. A MP fala em expansão progressiva para 1.400 horas. O relator manteve um dos pontos contestados, que é a contratação de profissionais com notório saber para dar aulas. O Plano Nacional de Educação (PNE) determina que os professores do ensino básico tenham graduação na área em que atuam. A Comissão de Legislação Participativa da Câmara organizou, no dia 1º de dezembro, um debate sobre a MP 746 e o Projeto de Lei (PL) 7.180, de 2014, sobre a chamada Escola sem Partido. Além de inadequada em sua forma, (a MP 746) tem provocado amplo repúdio por parte de educadores, especialistas, alunos e movimentos que têm como pauta a luta por melhorias na educação no país, afirma o deputado Glauber Braga (Psol-RJ), responsável pela reunião.



Informativo CONFETAM

Cadastre-se e receba periodicamente
nossos boletins informativos.