Webmail CUT

Acesse seu Webmail CUT


Login CUT

Acesse a CUT

Esqueceu a senha?

Brasileiros e alemães são os mais preocupados com vigilância na internet

Levantamento foi feito com 15 mil pessoas sobre percepção a respeito de privacidade

Escrito por: • Publicado em: 26/03/2015 - 00:00 Escrito por: Publicado em: 26/03/2015 - 00:00

Brasileiros e alemães são os povos mais preocupados com a vigilância que governos fazem a cidadãos na internet, mostra pesquisa encomendada pela Anistia Internacional, que será lançada mundialmente amanhã (18). Por causa da diferença de fusos horários, o material foi divulgado para o Brasil na noite de hoje (17).
O levantamento foi feito em 13 países, ouvindo 15 mil pessoas sobre a percepção pessoal a respeito da vigilância e privacidade na rede. Participaram homens e mulheres com mais de 18 anos de idade da Austrália, do Brasil, da Grã-Bretanha, do Canadá, da França, Alemanha, Holanda, Nova Zelândia, das Filipinas, da África do Sul, Espanha, Suécia e dos Estados Unidos. No Brasil, foram ouvidas 1.006 pessoas entre os dias 4 e 11 de fevereiro de 2015.
Os que mais se opõem a que seu próprio governo monitore os cidadãos são os alemães (69%), espanhóis (67%) e brasileiros (65%). Nos resultados globais, 59% disseram ser contrários a que governos monitorem seus cidadãos e 71% reprovam a espionagem dos Estados Unidos a outros países. Entre brasileiros e alemães, 80% disseram que os americanos não devem interceptar, armazenar ou analisar a utilização da internet em seus países.
De acordo com o assessor de Direitos Humanos da Anistia Internacional no Brasil, Maurício Santoro, isso ocorre por causa da grande repercussão que tiveram as denúncias de Edward Snowden contra a NSA, a agência de segurança nacional norte-americana, que teria monitorado a presidenta Dilma Roussef e a chanceler alemã Angela Merkel.
“As duas coisas estão muito ligadas, porque essa denúncia forte, que houve aqui no Brasil e na Alemanha, gerou um debate amplo nas duas sociedades. Não por acaso, foram esses governos que correram atrás de uma resposta no âmbito da ONU [Organização das Nações Unidas] para que houvesse a criação internacional de mecanismos de proteção de salvaguarda à privacidade”, ressaltou Santoro.
Os brasileiros são os mais favoráveis a que as empresas de tecnologia protejam as comunicações para evitar que governos tenham acesso aos dados, com 78% dos entrevistados. Santoro destaca que a aprovação do marco civil da internet, no ano passado, colocou o Brasil como referência mundial nos debates sobre direitos humanos e internet, inclusive na questão da privacidade. Por outro lado, ele observa que, ao mesmo tempo em que cresce o acesso à internet no país, com metade dos brasileiros conectados, e a preocupação com a privacidade na rede, as pessoas se expõem mais do que deveriam nas redes sociais.
Para Santoro, existe até uma contradição, pois "a gente sabe que as pessoas têm medo do que vai ser compartilhado com as empresas, com os governos, mas, muitas vezes, elas acabam colocando também online coisas que não deveriam, por falta de conscientização; por falta mesmo de educação a respeito dessas novas tecnologias”.
A pesquisa destaca que quando se trata de cidadãos estrangeiros que vivem em seus países, a maioria dos entrevistados na Grã-Bretanha (55%), no Canadá (48%), na França (54%), nas Filipinas (56%) e na África do Sul (51%) aprovam a vigilância por parte do governo. A França foi o país que menos ficou insatisfeito com a vigilância dos Estados Unidos, com 56% de reprovação da espionagem.
Santoro ressalta que a pesquisa é apenas o primeiro passo para as discussões com a sociedade sobre o tema. A Anistia Internacional lançou também uma petição voltada para cinco governos (Estados Unidos, Reino Unido, Austrália, Canadá e Nova Zelândia) que formam a Aliança dos Cinco Olhos, dentro da campanha "#UnfollowMe". O objetivo é exigir mais transparência e pressionar os governos a adotar medidas que impeçam o uso indiscriminado de tecnologias para a vigilância em massa.
“É uma aliança que vem das guerras mundiais, são cinco países de fala inglesa, muito próximos politicamente, culturalmente, e o que se sabe é que eles compartilham informações, fazem muitas atividades de vigilância em conjunto. Mas não se tem a dimensão precisa do tamanho dessa vigilância, desse escopo integral. Então, isso é algo importante para a gente entender como funcionam esses mecanismos internacionais”, segundo Santoro.
O Ministério das Comunicações foi procurado para comentar a pesquisa e explicar como funciona a segurança da internet no país, mas não retornou até o fechamento desta matéria.

Título: Brasileiros e alemães são os mais preocupados com vigilância na internet, Conteúdo: Brasileiros e alemães são os povos mais preocupados com a vigilância que governos fazem a cidadãos na internet, mostra pesquisa encomendada pela Anistia Internacional, que será lançada mundialmente amanhã (18). Por causa da diferença de fusos horários, o material foi divulgado para o Brasil na noite de hoje (17). O levantamento foi feito em 13 países, ouvindo 15 mil pessoas sobre a percepção pessoal a respeito da vigilância e privacidade na rede. Participaram homens e mulheres com mais de 18 anos de idade da Austrália, do Brasil, da Grã-Bretanha, do Canadá, da França, Alemanha, Holanda, Nova Zelândia, das Filipinas, da África do Sul, Espanha, Suécia e dos Estados Unidos. No Brasil, foram ouvidas 1.006 pessoas entre os dias 4 e 11 de fevereiro de 2015. Os que mais se opõem a que seu próprio governo monitore os cidadãos são os alemães (69%), espanhóis (67%) e brasileiros (65%). Nos resultados globais, 59% disseram ser contrários a que governos monitorem seus cidadãos e 71% reprovam a espionagem dos Estados Unidos a outros países. Entre brasileiros e alemães, 80% disseram que os americanos não devem interceptar, armazenar ou analisar a utilização da internet em seus países. De acordo com o assessor de Direitos Humanos da Anistia Internacional no Brasil, Maurício Santoro, isso ocorre por causa da grande repercussão que tiveram as denúncias de Edward Snowden contra a NSA, a agência de segurança nacional norte-americana, que teria monitorado a presidenta Dilma Roussef e a chanceler alemã Angela Merkel. “As duas coisas estão muito ligadas, porque essa denúncia forte, que houve aqui no Brasil e na Alemanha, gerou um debate amplo nas duas sociedades. Não por acaso, foram esses governos que correram atrás de uma resposta no âmbito da ONU [Organização das Nações Unidas] para que houvesse a criação internacional de mecanismos de proteção de salvaguarda à privacidade”, ressaltou Santoro. Os brasileiros são os mais favoráveis a que as empresas de tecnologia protejam as comunicações para evitar que governos tenham acesso aos dados, com 78% dos entrevistados. Santoro destaca que a aprovação do marco civil da internet, no ano passado, colocou o Brasil como referência mundial nos debates sobre direitos humanos e internet, inclusive na questão da privacidade. Por outro lado, ele observa que, ao mesmo tempo em que cresce o acesso à internet no país, com metade dos brasileiros conectados, e a preocupação com a privacidade na rede, as pessoas se expõem mais do que deveriam nas redes sociais. Para Santoro, existe até uma contradição, pois a gente sabe que as pessoas têm medo do que vai ser compartilhado com as empresas, com os governos, mas, muitas vezes, elas acabam colocando também online coisas que não deveriam, por falta de conscientização; por falta mesmo de educação a respeito dessas novas tecnologias”. A pesquisa destaca que quando se trata de cidadãos estrangeiros que vivem em seus países, a maioria dos entrevistados na Grã-Bretanha (55%), no Canadá (48%), na França (54%), nas Filipinas (56%) e na África do Sul (51%) aprovam a vigilância por parte do governo. A França foi o país que menos ficou insatisfeito com a vigilância dos Estados Unidos, com 56% de reprovação da espionagem. Santoro ressalta que a pesquisa é apenas o primeiro passo para as discussões com a sociedade sobre o tema. A Anistia Internacional lançou também uma petição voltada para cinco governos (Estados Unidos, Reino Unido, Austrália, Canadá e Nova Zelândia) que formam a Aliança dos Cinco Olhos, dentro da campanha #UnfollowMe. O objetivo é exigir mais transparência e pressionar os governos a adotar medidas que impeçam o uso indiscriminado de tecnologias para a vigilância em massa. “É uma aliança que vem das guerras mundiais, são cinco países de fala inglesa, muito próximos politicamente, culturalmente, e o que se sabe é que eles compartilham informações, fazem muitas atividades de vigilância em conjunto. Mas não se tem a dimensão precisa do tamanho dessa vigilância, desse escopo integral. Então, isso é algo importante para a gente entender como funcionam esses mecanismos internacionais”, segundo Santoro. O Ministério das Comunicações foi procurado para comentar a pesquisa e explicar como funciona a segurança da internet no país, mas não retornou até o fechamento desta matéria.



Informativo CONFETAM

Cadastre-se e receba periodicamente
nossos boletins informativos.