Webmail CUT

Acesse seu Webmail CUT


Login CUT

Acesse a CUT

Esqueceu a senha?

10 dias de greve e 3 de acampamento pressionam prefeito de São Paulo a receber servidores

Servidores municipais lutam pela valorização dos trabalhadores de níveis básico e médio, e protestam contra achatamento salarial

Escrito por: Déborah Lima com informações do Sindsep/SP • Publicado em: 14/11/2019 - 14:21 • Última modificação: 14/11/2019 - 14:45 Escrito por: Déborah Lima com informações do Sindsep/SP Publicado em: 14/11/2019 - 14:21 Última modificação: 14/11/2019 - 14:45

SINDSEP/SP Trabalhadores enterram política de salarial de 0,01% do governo Buno Covas

No 10º dia de greve e no terceiro dia de acampamento da resistência pela valorização salarial, os servidores dos níveis básico (Agentes de Apoio) e médio (Assistentes de Gestão de Políticas Públicas - AGPPs e Assistentes de Suporte Técnico - ASTs) permanecem firmes na vigília montada na última terça-feira (12), em frente a Prefeitura de São Paulo. Eles pressionam o prefeito Bruno Covas e prometem só deixar o local quando forem recebidos para negociar.

Nem embaixo de chuva o movimento desanima. Na manhã desta quinta-feira (14), dirigentes do Sindicato dos Servidores Municipais de São Paulo (Sindsep), trabalhadores da ativa e aposentados fizeram piquete na Praça de Atendimento da Secretaria Municipal da Fazenda. O clima pacífico entre os servidores contrastava com a presença ostensiva da Guarda Civil Metropolitana (GCM) e da Policia Militar (PM).

"Segurança" para intimidar grevistas

Armados até os dentes e com seis viaturas à disposição, homens das forças de "segurança" observavam de perto o movimento animado dos trabalhadores. O contingente de policiais e de guardas enviados ao local era desproporcional. Segundo o Sindsep, o aparato montado para intimidar os trabalhadores era maior que o destacado para garantir a segurança de todo o Centro da cidade.

Desde às 14h, os grevistas estão reunidos em Assembleia em frente à Secretaria Municipal de Finanças, na Praça do Patriarca, ao lado do prédio da prefeitura. "Vamos lotar a Praça do Patriarca e cobrar do prefeito Bruno Covas o nosso direito à recuperação dos valores de nossos salários e aposentadorias", avisou a direção do  Sindsep/SP.

Trabalhadores exigem proposta digna

Entre as exigências dos grevistas está a apresentação de uma proposta de reestruturação das carreiras digna, que atenda às necessidades dos servidores e valorize todos os trabalhadores que fazem a máquina municipal funcionar.

A categoria está insatisfeita com o envio à Câmara Municipal pela prefeitura de projeto que não prevê ganho para 70% da categoria, com o agravante de que os trabalhadores já não recebem reajuste salarial há seis anos. Os abonos de R$ 200 para os agentes de apoio e de R$ 300 para os AGPPs seriam extintos após a aprovação do projeto

Fonte: Sindsep/SP

Título: 10 dias de greve e 3 de acampamento pressionam prefeito de São Paulo a receber servidores, Conteúdo: No 10º dia de greve e no terceiro dia de acampamento da resistência pela valorização salarial, os servidores dos níveis básico (Agentes de Apoio) e médio (Assistentes de Gestão de Políticas Públicas - AGPPs e Assistentes de Suporte Técnico - ASTs) permanecem firmes na vigília montada na última terça-feira (12), em frente a Prefeitura de São Paulo. Eles pressionam o prefeito Bruno Covas e prometem só deixar o local quando forem recebidos para negociar. Nem embaixo de chuva o movimento desanima. Na manhã desta quinta-feira (14), dirigentes do Sindicato dos Servidores Municipais de São Paulo (Sindsep), trabalhadores da ativa e aposentados fizeram piquete na Praça de Atendimento da Secretaria Municipal da Fazenda. O clima pacífico entre os servidores contrastava com a presença ostensiva da Guarda Civil Metropolitana (GCM) e da Policia Militar (PM). Segurança para intimidar grevistas Armados até os dentes e com seis viaturas à disposição, homens das forças de segurança observavam de perto o movimento animado dos trabalhadores. O contingente de policiais e de guardas enviados ao local era desproporcional. Segundo o Sindsep, o aparato montado para intimidar os trabalhadores era maior que o destacado para garantir a segurança de todo o Centro da cidade. Desde às 14h, os grevistas estão reunidos em Assembleia em frente à Secretaria Municipal de Finanças, na Praça do Patriarca, ao lado do prédio da prefeitura. Vamos lotar a Praça do Patriarca e cobrar do prefeito Bruno Covas o nosso direito à recuperação dos valores de nossos salários e aposentadorias, avisou a direção do  Sindsep/SP. Trabalhadores exigem proposta digna Entre as exigências dos grevistas está a apresentação de uma proposta de reestruturação das carreiras digna, que atenda às necessidades dos servidores e valorize todos os trabalhadores que fazem a máquina municipal funcionar. A categoria está insatisfeita com o envio à Câmara Municipal pela prefeitura de projeto que não prevê ganho para 70% da categoria, com o agravante de que os trabalhadores já não recebem reajuste salarial há seis anos. Os abonos de R$ 200 para os agentes de apoio e de R$ 300 para os AGPPs seriam extintos após a aprovação do projeto Fonte: Sindsep/SP



Informativo CONFETAM

Cadastre-se e receba periodicamente
nossos boletins informativos.