Webmail CUT

Acesse seu Webmail CUT


Login CUT

Acesse a CUT

Esqueceu a senha?

1º Seminário Regional sobre Violência de Gênero lotou o auditório da URI Santo Ângelo

Com o intuito de debater e propor soluções para a violência contra a mulher, foi realizado no dia 26 de março, o 1º Seminário Regional sobre Violência de Gênero.

Escrito por: • Publicado em: 30/04/2014 - 00:00 Escrito por: Publicado em: 30/04/2014 - 00:00

O evento aconteceu na URI e contou com palestrantes de diversas áreas. Após o momento cultural, a cargo de professores e estudantes da URI, os trabalhos foram abertos por Odenir Guterres de Carvalho, presidente da FEMERGS; pelo professor doutor, Noli Bernardo Hahn, da URI, e pela vice-prefeita, Nara Damião.
A Secretaria de Políticas Públicas para as Mulheres do RS, representada por Mariele Moraes, abordou o tema “As políticas públicas em relação à mulher no RS”. A representante da SPM apresentou os programas que o Estado desenvolve, entre eles o “Mulheres Construindo Autonomia RS”, “Prevenção e Enfrentamento à Violência contra a Mulher” e “Cidadania e Efetivação de Direitos das Mulheres”. Também apresentou o recém lançado “Crédito Llás”, que busca incentivar o empreendedorismo e a geração de renda.

Mariele Moraes salientou a importância do “Telefone Lilás”, um serviço de acolhimento às mulheres em situação de violência e que tem como objetivo realizar o acolhimento, através de linhas telefônicas, às mulheres gaúchas.
A secretária de Equidade da FEMERGS, Clenir Terezinha Rodrigues, falou sobre as “Políticas da Equidade da FEMERGS”. Para ela, a violência contra a mulher deve ser discutida com os homens também, “pois eles, que são machistas, propagam esta cultura. Temos que mudar a cultura através do debate, trazer as mulheres que sofrem violência para discutir e, assim, criar coragem para denunciar”, afirmou. Clenir Rodrigues divulgou cartilhas que foram confeccionadas pela Federação, com dados sobre diferenciação salarial, onde estão as mulheres no serviço público, e sobre a aplicação da Lei Maria da Penha. “Não temos como combater o que é invisível, por isso precisamos saber mais sobre estes dados. As notificações devem ter prioridade. Por isso, a importância de sabermos e nos chocarmos com o dado de que, a cada dois minutos, uma mulher é espancada no Brasil”, ressaltou.
OUTRAS PALESTRAS
A delegada de polícia, Luciana Cunha da Silva, falou sobre “Violência de gênero – distintos olhares”, enquanto a assistente social, Marta Rembold do Nascimento, tratou da “Apresentação e funcionamento do Centro de Referência Regional de Atendimento à Mulher e Casa de Abrigo e Passagem de Santa Rosa”.
Para o presidente da FEMERGS, Odenir de Carvalho, o fato de o auditório da URI permanecer lotado tem duas explicações: “O assunto é de interesse, porque preocupa e gera necessidade da busca de soluções; quanto à mobilização intensa, é fruto do trabalho competente de todos os parceiros”.
PROMOÇÃO
O Seminário foi promovido em conjunto pela URI Santo Ângelo, pela FEMERGS e Secretaria de Segurança Pública – 13ª Delegacia de Polícia Regional de Santo Ângelo. O evento contou com dezenas de apoiadores, incluindo igrejas, a Brigada Militar, entidades ligadas às políticas destinadas à mulher, instituições de ensino e entidades de classe. Na atividade, estiveram presentes autoridades, agentes de saúde, servidores municipais, professores, diretores de escola, assistentes sociais, conselheiros tutelares, estudantes e público em geral.
Título: 1º Seminário Regional sobre Violência de Gênero lotou o auditório da URI Santo Ângelo, Conteúdo: O evento aconteceu na URI e contou com palestrantes de diversas áreas. Após o momento cultural, a cargo de professores e estudantes da URI, os trabalhos foram abertos por Odenir Guterres de Carvalho, presidente da FEMERGS; pelo professor doutor, Noli Bernardo Hahn, da URI, e pela vice-prefeita, Nara Damião. A Secretaria de Políticas Públicas para as Mulheres do RS, representada por Mariele Moraes, abordou o tema “As políticas públicas em relação à mulher no RS”. A representante da SPM apresentou os programas que o Estado desenvolve, entre eles o “Mulheres Construindo Autonomia RS”, “Prevenção e Enfrentamento à Violência contra a Mulher” e “Cidadania e Efetivação de Direitos das Mulheres”. Também apresentou o recém lançado “Crédito Llás”, que busca incentivar o empreendedorismo e a geração de renda. Mariele Moraes salientou a importância do “Telefone Lilás”, um serviço de acolhimento às mulheres em situação de violência e que tem como objetivo realizar o acolhimento, através de linhas telefônicas, às mulheres gaúchas. A secretária de Equidade da FEMERGS, Clenir Terezinha Rodrigues, falou sobre as “Políticas da Equidade da FEMERGS”. Para ela, a violência contra a mulher deve ser discutida com os homens também, “pois eles, que são machistas, propagam esta cultura. Temos que mudar a cultura através do debate, trazer as mulheres que sofrem violência para discutir e, assim, criar coragem para denunciar”, afirmou. Clenir Rodrigues divulgou cartilhas que foram confeccionadas pela Federação, com dados sobre diferenciação salarial, onde estão as mulheres no serviço público, e sobre a aplicação da Lei Maria da Penha. “Não temos como combater o que é invisível, por isso precisamos saber mais sobre estes dados. As notificações devem ter prioridade. Por isso, a importância de sabermos e nos chocarmos com o dado de que, a cada dois minutos, uma mulher é espancada no Brasil”, ressaltou. OUTRAS PALESTRAS A delegada de polícia, Luciana Cunha da Silva, falou sobre “Violência de gênero – distintos olhares”, enquanto a assistente social, Marta Rembold do Nascimento, tratou da “Apresentação e funcionamento do Centro de Referência Regional de Atendimento à Mulher e Casa de Abrigo e Passagem de Santa Rosa”. Para o presidente da FEMERGS, Odenir de Carvalho, o fato de o auditório da URI permanecer lotado tem duas explicações: “O assunto é de interesse, porque preocupa e gera necessidade da busca de soluções; quanto à mobilização intensa, é fruto do trabalho competente de todos os parceiros”. PROMOÇÃO O Seminário foi promovido em conjunto pela URI Santo Ângelo, pela FEMERGS e Secretaria de Segurança Pública – 13ª Delegacia de Polícia Regional de Santo Ângelo. O evento contou com dezenas de apoiadores, incluindo igrejas, a Brigada Militar, entidades ligadas às políticas destinadas à mulher, instituições de ensino e entidades de classe. Na atividade, estiveram presentes autoridades, agentes de saúde, servidores municipais, professores, diretores de escola, assistentes sociais, conselheiros tutelares, estudantes e público em geral.



Informativo CONFETAM

Cadastre-se e receba periodicamente
nossos boletins informativos.