Nova diretoria toma posse durante Arraiá do Sinsemba

28/06/2018 - 14:39

Diretores empossados ficam à frente da entidade até 2021.

A nova diretoria do Sindicato dos Servidores Municipais de Barreira e Acarape (Sinsemba/CE) tomou posse na tarde desta terça-feira (26), durante o "Arraiá do Sinsemba". Liderados pela presidente reeleita Aparecida Castro, os novos diretores assumem o comando da gestão durante o triênio 2018/2021. A presidente licenciada da Confederação dos Trabalhadores no Serviço Público Municipal (Confetam/CUT), Vilani Oliveira, prestigiou a posse. Ela parabenizou a luta e desejou um bom mandato ao dirigentes reconduzidos, e agradeceu a colaboração daqueles que deixam a direção para abrir espaço a novas lideranças.   

"Que a nova direção esteja unida em sintonia perfeita para enfrentar os desafios que estão postos ao sindicato, como formação política, a luta pela democracia e a luta pela libertação do ex-presidente Lula, que está intrinsecamente atrelada as nossas lutas por melhores condições de vida e pela redução das desigualdades. Todas essas lutas passam pela liberdade do Lula, para que possamos ter um companheiro disputando as eleições presidenciais e retomarmos o processo de desenvolvimento social abortado com o impeachment da presidenta Dilma", discursou.

Vilani Oliveira alertou para a necessidade de mudança no perfil dos parlamentares brasileiros, cuja maioria opera contra os interesses dos trabalhadores no Congresso Nacional e nas Assembleias Legislativas. Ela defendeu o empoderamento de servidores e servidoras municipais por meio de candidaturas que representem efetivamente os trabalhadores e o povo brasileiro, conforme previsto nas Plataformas das Eleições da Confetam e da CUT. "Não podemos reeleger nenhum golpista. Precisamos conhecer a história dos candidatos e eleger somente aqueles que tenham compromisso com a luta". 

A presidente licenciada da Confetam/CUT também prestou solidariedade aos servidores da Saúde do município, vítimas de transferências e rodízios arbitrários por parte da secretária da Pasta, Helena Marques. "Os servidores da saúde estão passando por um processo de perseguição muito intenso, apesar de ser uma gestão do PT. Mas para nós isso é indiferente, pois a luta dos trabalhadores é autônoma, independente de governo e de partido", concluiu Vilani.