Sispumu e Confetam repudiam agressão de professora por mãe de aluno

24/08/2017 - 16:30

As aulas na Escola Municipal Cândido Portinari, em Umuarama, no Estado do Paraná, foram suspensas em protesto contra a falta de segurança

O Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Umuarama (Sispumu) e a Confederação dos Trabalhadores no Serviço Público Municipal (Confetam/CUT), entidades representativas da categoria, repudiam, de forma veemente, a agressão sofrida por uma professora da Escola  Municipal Cândido Portinari. A servidora foi agredida pela mãe de um aluno, na terça-feira (22), dentro do seu local de trabalho.  

De acordo com o Sispumu, a administração pública tentou abafar o caso.O prefeito Celso Pozzobom e a secretária de Educação do município, Maria Clory Zanferrari, estiveram reunidos com professores e a direção da escola para tentar amenizar a revolta dos educadores.

Os professores e professoras decidiram pela paralisação temporária das aulas, por conta da violência. As aulas na Escola Cândido Portinari voltarão ao normal somente na próxima segunda-feira (28).

O Sispumu e a Confetam/CUT exigem que seja revista e melhorada a segurança para os trabalhadores e trabalhadoras. O presidente do sindicato, José Donizete Galieta, informa que convocará os servidores para um manifesto contra a violência e que deverá ser realizado uma assembleia para debater a segurança nos locais de trabalho.  

“Nesta assembleia ouviremos os servidores e servidoras, para juntos formalizarmos um documento com as assinaturas e entregar para a administração. Convocaremos todas e todos para um grande ato, na sexta-feira (25), em prol de mais segurança e condições de trabalho. O objetivo é fazer uma concentração em frente à prefeitura”, ressaltou o presidente do Sispumu. 

A docente, cuja identidade é mantida em sigilo, registrou boletim de ocorrência e pediu afastamento do trabalho por três dias. A polícia investiga o caso.