Quem defende democracia e justiça vai às ruas dia 18

14/03/2016 - 15:31

Mobilizações da próxima sexta vão reafirmar liberdade, condenar o golpe e pedir mais igualdade. Lula deve participar do ato em São Paulo.

A principal tarefa dos movimentos sociais e sindical e de todos os democratas brasileiros é organizar uma grande mobilização no próximo dia 18, em diferentes cidades do Brasil.

O ato nacional é contra o golpe jurídico-midiático em curso, em defesa da democracia e do presidente Lula e por mudanças na política econômica que deem novo impulso ao governo Dilma.

A presença de Lula é aguardada na manifestação de São Paulo, que está marcada para as 16h, no vão livre do MASP. Lula é considerado pela militância como símbolo maior da possibilidade de ascensão social dos mais pobres, já que o governo dele tirou 40 milhões da miséria e ampliou o acesso ao ensino, à saúde e possibilitou a construção de políticas públicas que buscam igualdade para mulheres, negros, LGBTs e outras parcelas da sociedade tradicionalmente alijadas dos resultados econômicos. “É esse projeto que querem destruir”, costuma afirmar o presidente nacional da CUT, Vagner Freitas.

Na avaliação do presidente nacional do PT, Rui Falcão, presente a encontro realizado na noite de domingo no diretório estadual do partido em São Paulo, as manifestações de domingo revelaram vários sinais de que há um golpe em preparação que pretende atacar não só o PT e a entidades com ele identificadas, mas o próprio Estado de Direito e, consequentemente, as garantias individuais.

Justiça em risco

“Não há mais habeas corpus, promotores se sentem no direito de prender sem provas, testemunhas são pressionadas a fazer delação, o que é uma forma de tortura psicológica, o que torna o momento atual, em parte, uma repetição do que ocorria em 1964”, disse, em referência ao golpe militar que derrubou Jango e instalou uma ditadura de 21 anos.

“Por isso, temos de mobilizar todas as nossas energias e nossos militantes para realizarmos um grande ato no dia 18”, conclamou.

Para o presidente do PT de São Paulo, Emídio de Souza, a vaia a políticos de outros partidos, registradas ontem em São Paulo, não devem ser motivo de comemoração. "Isso demonstra que setores que defendem o fim da política estão tendo grande influência nessas manifestações".

Durante toda esta segunda-feira, dia 14, plenárias e encontros estão sendo realizados em diretórios partidários e sedes de sindicatos e entidades do movimento social para organizar as participações no próximo dia 18. Os atos estão sendo convocados pela Frente Brasil Popular. O calendário de atividades será divulgado tão logo sejam definidas.

Violência fascista

Gilmar Mauro, coordenador do MST e um dos presentes ao encontro de ontem no diretório estadual do PT, lembrou que a defesa da militância deve ser uma das principais preocupações dos organizadores. Ele citou os atos de violência e vandalismo contra a sede da UNE, do PCdoB, da subsede da CUT Campinas e a invasão policial armada à assembleia realizada na última sexta-feira, na subsede Diadema do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, como sinais da escalada fascista.

Confira atos já confirmados:

Bahia

15 e 16/06 - Ato de panfletagem, lambe lambe e convocação para ato 18.

18/03 às 15h - Ato Campo Grande - Castro Alves, todas as centrais e movimentos sociais e populares

Ceará

10h - Tribuna Livre na Praça do Ferreira

18/03 -  Plenária no Sindicato Bancários

18/03 - Mobilização NacionaL: Ato e Caminhada, Concentração na Praça da Bandeira

Paraná

Ato Estadual em Curitiba, com documento da FBP, 18/3, Café da Manhã na frente da Justiça Federal

18/0 - 18h: Praça Santos Andrade

Rio de Janeiro

18/3, Tarde: Ato Cultural na Praça XV com vários Artistas (Bete Carvalho e Martinho da Vila estão mobilizando)

São Paulo

18/03 - 16h Ato na Paulista (MASP)