Trabalhadoras pedem afastamento de diretor de hospital por agressão à servidora municipal

10/04/2019 - 17:07

Médico Antônio Camargo Moreno se recusou a receber a entidade para tratar sobre questões trabalhistas e partiu pra cima de dirigente do Sindicato dos Servidores Municipais de São Paulo (Sindsep).

Trabalhadoras e trabalhadores de diversas categorias se reuniram nesta segunda-feira, 8, em frente ao Hospital do Servidor Público Municipal, na Aclimação, para pedir  o afastamento do superintendente da instituição, o médico Antônio Camargo Moreno. Na semana passada, ele agrediu fisicamente a servidora Flavia Anunciação, que também é diretora do Sindsep-SP (Sindicato dos Servidores Municipais de São Paulo).

A violência ocorreu na última sexta, 5, quando o superintendente se recusou a receber uma comissão dos servidores do hospital para discutir a pauta de reivindicações com a presença do sindicato. Em frente a sua sala, Moreno passou a atacar verbalmente os servidores e, em seguida, agarrou a dirigente sindical pelo braço e a empurrou.

Flávia teve arranhões e hematomas pelo corpo. Com o braço direito já debilitado, ela relata que as dores se tornaram mais intensas desde então. A servidora registrou boletim de ocorrência na 1ª delegacia da Mulher na mesma noite da agressão.

Emocionada, ela contou à CUT-SP que o superintendente já tem um histórico de agressões verbais, mas que nunca imaginou que ele pudesse passar disso. "A gente sabe que isso é devido à luta que nós, servidores, fazemos para melhorar as condições do hospital. Acontece que sempre defendi a instituição e trato com zelo e de forma pacífica as denúncias que surgem. Mas ocorre isso. Nenhum servidor merece apanhar e ser tratado do jeito que ele me tratou", afirma.

Secretária da Mulher Trabalhadora da CUT-SP, Márcia Viana participou do ato nesta segunda. "Não podemos aceitar tal violência contra uma trabalhadora. Esse senhor é despreparado para o cargo que exerce. Muitas mulheres já sofrem com a violência doméstica e é inadmissível que isso também ocorra no local de trabalho", disse. (Confira abaixo o relato de outras dirigentes).

Nesta semana, o caso também será denunciado em plenária da Câmara Municipal pelo vereador Celso Gianazzi (PSOL). O Sindsep-SP está dando apoio jurídico à dirigente e levará o caso a outras instâncias da administração pública. Nesta segunda, um abaixo-assinado pedindo a exoneração de Moreno começou a circular.

A reportagem não conseguiu contato com o médico, que foi nomeado ao cargo em janeiro de 2017 durante a gestão do então prefeito João Doria (PSDB).

Confira abaixo a nota da direção da CUT-SP sobre o caso.

"A CUT-SP manifesta total repúdio à agressão sofrida pela servidora municipal e dirigente sindical Flávia Anunciação. É escandaloso que essa violência tenha sido praticada por alguém que exerce cargo de direção do Hospital Municipal do Servidor Público (HMSP), o médico Antônio Célio Camargo Moreno. 

Além da violência à mulher, o superintendente do HMSP fere a liberdade sindical ao atacar uma legítima representante da categoria, ao reiterar, por diversas vezes, não aceitar o diálogo com o sindicato.

Diante disso, a CUT-SP se solidariza à Flávia Anunciação e cobra imediatas providências por parte da administração municipal para que Antônio Célio Camargo Moreno seja afastado do cargo por apresentar despreparo à função.

Junto ao Sindsep-SP, iremos acompanhar o caso até que o superintendente seja devidamente responsabilizado por seus atos de covardia.

Direção da CUT-SP"

Confira fala da secretária da Mulher Trabalhadora da CUT-SP, Márcia Viana:

Confira fala da secretária da Mulher Trabalhadora da CUT, Juneia Martins Batista:

Confira fala da secretária de Políticas para as Mulhers do Sindsep-SP, Luba Melo:

Confira a fala da dirigente do Sindicato dos Médicos de São Paulo, Juliana Salles:

Confira a fala de Denise Motta Dau, da ISP (Internacional de Serviços Públicos):